segunda-feira, 14 de abril de 2008

Imprensa golpista, unida, jamais...

O governo Kirchner, depois de atacado nos golpes mais baixos pela imprensa argentina, decidiu criar o Observatório dos Meios de Comunicação, em parceria com a Universidade Nacional de Buenos Aires. Bastou para a iniciativa ser contestada pela nossa aliada mídia brasileira, que acha tal medida um cerceamento à liberdade de imprensa, é o que diz o jornal O Globo ao noticiar o fato.

Para o jornal, a declaração de Cristina Kirchner justificando a falta de imparcialidade da mídia argentina como motivo da criação do Observatório, para que todas as vozes democráticas tenham acesso aos meios de comunicação, não convenceu os representantes locais, que estão preocupados com a obsessão do governo em controlar a imprensa. Quer dizer, a imparcialidade não é bem vista. Desejam manter o monopólio da mídia a serviço da mera propaganda.

A hipocrisia fica clara no final do texto. Depois de relatar o grave acirramento entre simpatizantes do governo e a mídia local, relata que Luiz D’Elia, líder do movimento Terra e Moradia, aliado de Kirchner, “ousou” participar de um programa de TV ao vivo onde defendeu o fim da ditadura do jornal Clarin. Quer dizer, alguém da sociedade que tenha outro ponto de vista, diferente da mídia hegemônica, tem mais é que ficar calado. Se falar, isso é ousadia que deve ser combatida.

Observatório neles!

8 comentários:

Anônimo disse...

Cid desembucha,

Grande Jurandir, desta entrevista logo após ser eleita, entre outras declarações procedentes, sua resposta à última pergunta, sobre como seria seu relacionamento com a imprensa argentina, é TUDO! Qualquer "coincidência é mera semelhança...e vice-versa". Zóia:

"...no programa de Morales Solá, Cristina pediu uma “autocrítica” dos veículos de comunicação depois dos resultados das urnas.
“Durante meses disseram que a oposição ganharia na província de Santa Cruz e colocaram na primeira página, com destaque, os últimos problemas que ocorreram lá”, disse, referindo-se à província onde Kirchner foi governador durante 12 anos seguidos.
Cristina, como ela mesma destacou, recebeu quase 70% dos votos dos eleitores daquela província, na Patagônia.
“Acho que o leitor merece informação fidedigna, informação correta”, disse. “Se os meios de comunicação se convertem em meios de oposição, o sistema se desestabiliza.”
Quando questionada sobre como será sua relação com a imprensa, a presidente eleita disse: “Acho que será perfeita se os meios de comunicação VOLTAREM a ser meios de comunicação e não de oposição”.
.
BBC Brasil

alexandre disse...

Cara,esse último logotipo com o bufão chorando tá hilário!

Jurandir Paulo disse...

Pois é, caro Cid, imprensa golpista abunda na AL. São todas a lesma lerda. Estou com a declaração final do Encontro contra o Terrorismo Midiático, acontecido em Caracas, dia 31 de março. Destaco no texto final:


Periodistas, comunicadores y estudiosos de la comunicación de América Latina, El Caribe y Canadá, reunidos en Caracas en este Primer Encuentro Latinoamericano contra el Terrorismo Mediático, denunciamos el uso de la falsificación por las transnacionales informativas como una agresión masiva y permanente contra los pueblos y gobiernos que luchan por la paz, la justicia y la inclusión.

El terrorismo mediático es la primera expresión y condición necesaria del terrorismo militar y económico que el Norte industrializado emplea para imponer a la Humanidad su hegemonía imperial y su dominio neocolonial. Como tal, es enemigo de la libertad, de la democracia y de la sociedad abierta y debe ser considerado como la peste de la cultura contemporánea.

(...)

La información no es una mercancía. Tal como la salud y la educación, la información es un derecho fundamental de los pueblos y debe ser objeto de políticas públicas permanentes.

Jurandir Paulo disse...

Alexandre, a idéia é de um logo mutável. Muitos canalhas irão chorar ou pagar alguns pecados ali. Vai acontecer conforme o noticiário, conforme a canalhice. Começo com o bufão, que hoje está em SP chorando as derrotas da oposição.

Briguilino disse...

Gostei tanto do post que publiquei no meu Blog. Parabens.

Anônimo disse...

Estive no encontro "Latinoamerica vs Terrorismo Midiático", em Caracas, e faltou-me espaço e tempo para expor aos colegas de outros 13 países a real situação no Brasil. É óbvio que não fui para falar, mas para aprender que a conspiração dos donos (poucos) da mídia no nosso Continente é igual, do México à Patagônia. A regra é desestabilizar e se possível derrubar qualquer governante minimamente voltado para o social, para os excluídos. Chávez sentiu na carne até onde vão esses fascistas de aluguel. O Lula ainda não. Se não houver uma democratização da mídia na América Latina e se não se controlar, por meios legais (oferecendo meios alternativos, por exemplo) os cartéis mafiosos que controlam a mídia, não haverá Democracia entre nós.

Anônimo disse...

No encontro de Caracas, colegas ficaram estarrecidos quando eu lhes contei sobre as mortes de pessoas induzidas pela mídia (alô Cantanhêde!) a tomar vacinas desnecessárias contra uma ëpidemia" de febre amarela. E sobre as jornalistas que no programa do Jô (estendido no horário, umas três horas de golpismo puro) acusaram o presidente da República de ser "pessoal e diretamente" responsável pelas 199 mortes no acidente da TAM-Congonhas. Se isso não for terrorismo, então vamos aguardar que os donos da mídia introduzam antrax no miolo do papel de seus panfletos...

Jurandir Paulo disse...

Anônimo, obrigado pelos comentários. Este assunto me interessa bastante, tenho acompanhado a iniciativa continental contra a ditadura midiática. As dificuldades são grandes e os inimigos fortes, mas os primeiros passos foram dados. Fique a vontade para enviar qualquer nova informação.