terça-feira, 2 de novembro de 2010

José Dirceu e a mídia venal



Vendo ontem o José Dirceu no Roda Viva, lembrei desde vídeo que montei com dois momentos do CQC nas eleições de 2008. No primeiro, Dirceu, que foi linchado publicamente por tucanos e sua mídia venal, é hostilizado na seção eleitoral. No segundo, Maluf, que coleciona mais de 150 processos, em alguns já condenado, faz brincadeiras ao chegar para votar, nenhuma hostilidade.

Este é o papel da mídia. Deseja liberdade para fazer propaganda. São venais.

O Roda Viva com Dirceu pode ser visto aqui:

Bloco 1
Bloco 2
Bloco 3
Bloco 4

A culpa é da geladeira


O chororô dos derrotados com a eleição da primeira mulher presidente é diverso, não está restrito aos partidos da oposição de direita e seus aliados, neste amplo leque que juntou conservadores de variados naipes aos integralistas e até monarquistas. Setores identificados com a esquerda também lamentam, e apontam culpados: a ignorância das massas populares. Vejam esta pérola do pensamento do esquerdismo mais tradiconal ao justificar seu desencanto:

Parodiando Herbert Marcuse, poderíamos afirmar que a massa do povo, incluindo-se, é claro, a tão falada massa proletária, se encanta com pequenos ganhos obtidos no seu dia-a-dia, sejam esses ganhos fruto de sua luta ou obtidos como dádiva "generosa" dos senhores do poder.
 
Um diminuto espaço para morar, uma geladeira, um freezer, uma TV LCD e (suprema felicidade!) um automóvel são elementos suficientes para levar as camadas populares ao conformismo e à fácil cooptação política pela classe ora dominante.
 
Tal comportamento das massas populares não é próprio apenas do Brasil, e sim de todos os recantos do mundo. Aqui, tivemos o exemplo patente do populismo lulo-petista, oferecendo ao capitalismo a paz social para que pudesse usufruir grandes lucros sem nenhuma ameaça.


Está dito claramente pelo autor que as massas populares só podem pensar corretamente, fazer melhores escolhas, se não tiverem uma geladeira, uma casa para morar. Se, tranformando-se portanto em lumpesinato, seriam mais revolucionárias. Coitado do Marx. É o “quanto pior melhor”, do velho esquerdismo pequeno burguês, bem conhecido de Lênin que o combateu, dedicando ao tema um livro para as futuras gerações, que parecem não o leram, ou entenderam corretamente.

Chega a ser perverso o pensamento, incluindo um forte preconceito, moldado em um erro crasso de análise: Dilma teve votos generalizados em várias classes sociais. O final do texto é um exemplo de arrogância:

Diante desses fatos, resta-nos a nós, socialistas revolucionários, a tarefa de despertar as massas populares de sua inocência, e nunca acalentar suas fantasias, como tem feito o PT, o PCdoB e o PSB, que funcionam como o braço esquerdo do sistema.

Para o messianismo de Gilvan Rocha, militante do PSOL, desejoso de ser o senhor dos desígnios de amplas massas, primeiro seria conveniente um bom investimento em seu próprio quintal. Seu partido tem dezenas de tendências internas, cada uma com visão própria do que seria o socialismo. Façam sua lição de casa em chegar a uma conclusão do que pretendem. E guardem seus preconceitos de classe no mesmo lugar onde fica seu reformismo, que imagina mudar o país apenas no voto.

O povo merece geladeiras, como saúde, como educação. É assim, também, que as grandes mudanças acontecerão um dia, mesmo que tentem atrapalhar as velhas, mofadas e preconceituosas tendências do esquerdismo pequeno-burguês.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A imagem que faltava da Dilma



Este blogueiro esteve ocupado, em campanha e comemorando. Ontem, no Leme, uma bela festa carioca para a primeira mulher presidente do Brasil. já quase na madrugada, em bares e restaurantes da região, palavras de ordem as mais diversas, como o "Eira, eira, eira, a presidente é guerrilheira". Uma bela homenagem a esta mulher que, ainda muito jovem, lutou de verdade contra o pior de nossa sociedade. Continuou lutando, vencendo agora nas urnas os herdeiros da podridão do atraso.

Foi muito bonito ver um pouco do que fiz em tantas pessoas ali reunidas: camisetas que foram publicadas neste blog, com link para se fazer o download e orientação para a impressão. Foram mais de 4 mil downloads até aqui. Segue agora, creio, a última da serie. A imagem da intriga de uma revista da campanha do candidato adversário ser transformada definitivamente no ícone desta campanha. A resistência da mídia alternativa na internet venceu a mídia velha e velhaca.

Aguadeço ao Adriano Matos, fiel leitor do blog, pela sugestão. A imagem acima pode ser baixada aqui. Faça a sua camiseta para a posse da primeira mulher presidente.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Vejam como o vice de Serra é popular na Rocinha

O vampiro imagina voltar com um golpe em 2012, mas seu fim será mesmo em 2010



O #SerraCafetao foi grosseiro e estúpido com as mulheres mineiras. No vídeo catástrofe que produziu, com um alucinado roteiro e mensagem golpista, voltou com grosseria e estupidez para com a Dilma.

Está claro que Serra é um misógino.

Ainda bem que depois de segunda não vamos mais saber dele.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Seis manchetes da Folha que seriam publicadas se o jornal não estivesse em campanha para José Serra

Vamos tentar um exercício de imaginação: suponha algo invertido, que Dilma fosse Serra. Possível? Se, como seria a cobertura da Folha de S.Paulo? Apenas alguns exemplos de manchetes inevitáveis, todas baseadas em fatos. Muitos deles, publicados, mesmo que parcialmente, neste mesmo jornal.













Notas sobre as informações:

1) É o que consta na ação cautelar de improbidade administrativa dos procuradores da República Luiz Francisco de Souza e Alexandre Camanho (Processo 2002.34.00.029731-6 ). A informação de que Magid Bechara é doleiro deve-se ao jornalista Cláudio Humberto.

2) Em “Sinais trocados”, de Leandro Fortes, na Carta Capital.

3) Na mesma ação cautelar citada: “Antes que a Justiça pudesse agir, MARIN foi mais rápido. Vendeu, junto com SERRA, o terreno do Morumbi em 19 de setembro de 95, menos de dois meses depois de o banco ter decidido entrar na Justiça. Impediu assim que a ordem de arresto fosse cumprida, driblando a tentativa do Banco do Brasil de recuperar parte da dívida.

4) Na mesma ação cautelar citada: “As ligações do Sr. PRECIADO com o Sr. SERRA não se restringem apenas ao imóvel onde funcionava a ACP na Vila Madalena. O jornal Folha de São Paulo apontou que, em 1995, às vésperas da eleição, a GREMAFER - mesmo quase falida - doou recursos para a campanha de SERRA, que totalizaram R$ 62,4 mil.” A empresa pertence a Gregório Marin Preciado, casado com prima de José Serra e com dívida de R$ 74 milhões ao BB, depois praticamente perdoada.

5) Na mesma ação cautelar citada, reproduzindo texto de Fernando Rodrigues, na Folha de S.Paulo de 15 de maio de 2002: “O empresário espanhol naturalizado brasileiro GREGORIO MARIN PRECIADO tem relação com tucanos paulistas desde o início dos anos 80, pelo menos. (…) Segundo a Folha apurou, a nomeação de GREGORIO MARIN foi realizada com apoio de José Serra, então secretário do Planejamento de Montoro. O empresário é casado com Vicencia, que é prima de Serra”.

6) No último depoimento de Amaury Ribeiro jr foram entregues à PF mais documentos sobre as apurações realizadas pelo jornalista. Neles, pela primeira vez uma prova documental de que ouve recolhimento e repasses de propinas nas privatizações tucanas. Toda a mídia recebeu os documentos. Veja aqui.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Dilma Lá!

O Brasil ganhou com a privatização da telefonia?

Para entender melhor, leia este artigo:

http://bit.ly/971QbR

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Quem cometeu mais crimes, Amaury Ribeiro Jr ou José Serra?

A farsa sobre a quebra de sigilo da declaração de renda de notáveis tucanos chegou ao seu ápice. Amaury Ribeiro Jr foi indiciado hoje pela PF por suposta prática de corrupção ativa, violação de sigilo e uso de documentação falsa. A mídia e a campanha de José Serra continuarão sustentando que Amaury está ligado à campanha da candidata Dilma Rousseff, mas a PF já sabe que em 2009 Amaury trabalhava para o jornal Estado de Minas, que apoiava a campanha de Aécio Neves. Depois de seis horas de depoimento, Amaury entregou para a imprensa, por seu advogado, o material de suas reportagens, um longo e minucioso trabalho de apuração jornalística, com detalhes sobre fatos assustadores, em grande parte já do conhecimento da mídia, sobre o processo de privatização no Brasil. Antes mesmos de ler o material fornecido, a mídia poderá pesquisar em seus próprios arquivos para fazer as perguntas que muitos brasileiros já fazem:

Como foram feitas as operações financeiras do ex-tesoureiro de José Serra e FHC, Ricardo Sérgio de Oliveira, em paraísos fiscais? Quem foi beneficiado? Quem forneceu os recursos?

Como explicar que Gregório Marin Preciado, primo de José Serra, seu sócio em vários empreendimentos, sem recursos aparentes, depositou US$ 3,2 milhões em empresa de Ricardo Sérgio de Oliveira?

Como explicar não ter havido punição na justiça para Gregório Marin Preciado e José Serra na venda do terreno situado na Rua Coronel Francisco de Oliveira Simões, no bairro do Morumbi em São Paulo, realizada em 1 de setembro de 1995, quando existia pedido de arresto e penhora ajuizado pelo Banco do Brasil em julho de 1995?

Como explicar os motivos para o Sr. José Serra e sua esposa venderem um imóvel na Rua Atimbá 160, na Lapa, em São Paulo, ao Sr. Magid Bechara por R$ 1? Quais favores este senhor, um notório doleiro paulista, prestou ao atual candidato a presidência para merecer esta doação?

Quais são as operações que a Sra. Verônica Serra e seu marido, Alexandre Bourgeois, fazem com tantas empresas, muitas delas com sedes em paraísos fiscais? São tantas, que sobra até uma para ser proprietária da casa onde reside o candidato José Serra.

Afinal, pelo que a própria mídia noticiou até hoje, há razões em quantidade para, nós brasileiros, supormos que as privatizações brasileiras renderam um bom dinheiro em propinas variadas, que foram administradas pelo sr. Ricardo Sérgio de Oliveira em paraísos fiscais. Quanto foi este montante? Como foram executadas as operações? Quais são os envolvidos? Por qual motivo o sr. Ricardo Sérgio de Oliveira não foi ouvido em CPI, mesmo tendo sido convocado?

Portanto, já temos muitas informações. Até um determinado período a mídia fez este trabalho de informar. Que tal voltar a fazer agora com as novas informações que estão na reportagem de Amaury Ribeiro Jr?

PS; só mais uma coisa, senhores jornalistas, certamente investigativos: parece que dinheiro em paraíso fiscal não é declarado em imposto de renda. Daí, essa quebra de sigilo não é de grande importância para o trabalho do Amaury.

sábado, 23 de outubro de 2010

Cuidado com a careca, Serra! Vai chover coisa grande nela!



Parece que a meteorologia prevê grandes precipitações sobre cabeças sensíveis, amanhã e na próxima semana. Serra, o alerta vem dos EUA, aquele seu país muito amigo. Veja o filme, é aterrador o tamanho do problema. Sugiro usar um bom chapéu. Cuidado. Não vá depois fazer ceninha.

A quase capa da Veja desta semana


Parece que um editor da Veja, enlouquecido, não entendeu a orientação para a capa desta semana. Em tempo trocaram por essa. Se você não estiver reconhecendo a casa, entenda aqui.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Desmascaramos a farsa da Globo para tentar ajudar Serrarojas

O horário político eleitoral continuou hoje no Jornal Nacional, em mais um capítulo da perversa história da Globo, onde a manipuladora empresa tentou interferir em eleição. Ontem, o SBT mostrou imagem nítida de uma bolinha de papel atingindo o candidato. Hoje, o JN sustenta que houve um segundo objeto atirado 15 minutos após o primeiro, e mostra imagens feitas por celular de um repórter da Folha. Pateticamente, ainda chama Ricardo Molina, o perito pop da Globo, que já vendeu seus serviços para o casal Nardoni e o goleiro Bruno. A reportagem do JN pode ser vista aqui. O vídeo do repórter da Folha, aqui. Vamos comparar alguns detalhes:


O JN afirma que uma forma arredondada no lado esquerdo da cabeça de Serra seria uma bobina de fita crepe, versão apresentada pela campanha do PSDB. Este é o único frame onde há algo assim assemelhado. Não parece exatamente com uma bobina, mas com uma esfera. O que seria?


Na mesma imagem ampliada, embora com grande distorção, podemos perceber que ela é formada por grandes retângulos. Isso se deve a um efeito em imagens com alta compressão, como as de vídeo por celular. O padrão é o JPEG, que ao comprimir a imagem resulta em algumas áreas um efeito chamado de artefato. Percebe-se que o claro acima da cabeça de Serra pertence ao fundo. Não é uma bobina, nem uma esfera. Vendo a sequência, tudo fica mais evidente.


Frações de segundo antes, e já vemos distorções na careca de Serra.


Adiante, outras distorções.


Um frame antes da imagem congelada pelo JN e não há sinal de nenhum objeto jogado.


Frações depois, e nada de objeto. Ele não veio dos lados, nem de cima, impossível que viesse de baixo. Impossível ser registrado apenas em um frame.






Segue a sequência e o vice, Índio da Costa, sorri. Atitude que não combina com quem afirmou que o objeto atirado tinha dois quilos. Hoje, no Jornal da Record, Serra foi mais modesto, disse que tinha "apenas" meio quilo.

Onde está o objeto atirado? Ele só aparece em um único frame, aos 0.06s do vídeo. Certamente um bem orientado profissional, em mesa de edição, escolheu pinçar um frame para contar a história que a Globo desejava para ajudar Serra. Ela começou, na verdade, de trás para frente. Aos 0.17s do vídeo, Serra coloca a mão na cabeça. Use um cronômetro para perceber que é um longo tempo para alguém reagir a uma dor. Nem falando nos quilos do objeto que foi afirmado. Vendo o vídeo, tentou-se criar um fato, com uma única e sofrível imagem.

Ficará registrado na longa história da Globo, e de um candidato a péssimo ator, que sobrevive até hoje apenas nas variadas mentiras, sempre com a ajuda desta venal mídia.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Serra e mais uma farsa, agora com bolinha de papel


Vejam o vídeo do SBT Brasil, onde Serra é nitidamente atingido por uma bola de papel:

http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/?c=1172


Por causa dela o candidato foi a hospital, deu declaração como vítima. Já o Jornal Nacional da Globo mostrou foto com o candidato com as mãos na cabeça, como se fosse dor.

Fora com este candidato dos fascistas, monarquistas, colonizadores, privatistas. Fora com a mídia velha e velhaca.

Dilma presidente!

Exclusivo: vídeo mostra em vários ângulos a agressão a Serra

domingo, 17 de outubro de 2010

José Serra e seu boçal fundamentalismo de resultados


Agora que a campanha de José Serra afunda na lama do desespero fundamentalista, utilizando de falsificação grosseira patrocinada por entidade integralista.

Agora que o partido da candidato parte com grosserias contra padre que criticava tumulto oportunista que impedia uma missa.

Agora que está claro que o candidato que mente descaradamente em campanha para ocultar seus verdadeiros propósitos no governo, que é o corte nos programas sociais, a volta das privatizações com a entrega do país aos interesses estrangeiros.

Não há mais dúvidas que temos que juntar todas as nossas forças para derrotar nas urnas esta salada que reúne nazi-fascistas, fundamentalismos a granel, boçais de plantão, analfabetos políticos, inocentes úteis, jornalistas de aluguel, viúvas da Ditadura, madames assustadas, contrabandistas, corruptos diversos, gente honesta mal informada etc, etc, etc.*


* Destaque retirado do ótimo Blog do Cappacete, que conseguiu esta perfeita síntese.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Uma grande professora dá uma aula sobre a importância de elegermos Dilma. Peguem caderno e lápis









E viva os professores do Brasil!

O hipócrita Serra, que bate em professores, hoje faz promessas

Não há limite para as mentiras do candidato José Serra. Hoje, em sua propaganda na TV, o tucano disse que deu aumento de salário a professores e computador (!). Veja no vídeo abaixo o tamanho da satisfação do professorado paulista. E entenda a hipocrisia do vampiro, desmentida pelo professor no áudio:



José Serra prometeu hoje que na presidência irá tratar muito bem os professores brasileiros. Agora veja como é o tratamento tucano, aplicado em São Paulo:

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Desafio a Folha a fazer uma reportagem sobre este imóvel


O Brizola Neto bem lembrou e comentou em seu blog o empenho da Folha de S.Paulo em esmiuçar a vida de Dilma Rousseff. Para tal, vale até usar seus advogados para ter acesso aos autos do processo militar durante a ditadura com o depoimento de Dilma obtido após tortura.

Deveriam guardar uma parte de tamanho esforço para a vida pregressa do candidato José Serra, mas parece que para este não há a mínima dedicação. Se existisse, dou um exemplo na foto acima, do Google Street View, de algo que bem poderia render uma boa reportagem, se apurado por diligentes e interessados repórteres. Este prédio fica a 17 minutos da sede do jornal. Trata-se de um típico imóvel da região de Vila Madalena, em São Paulo, situado na Rua Simão Álvares 1020, hoje ocupado pela livraria Casa do Psicólogo, que guarda estranhas relações com o candidato. Vamos a elas*:

O prédio foi sede da ACP Análise da Conjuntura Econômica e Perspectivas Ltda, empresa de José Serra e sua filha Verônica, que não foi declarada na Justiça Eleitoral em 2002, 1996 e 1994, como determina a lei.

No local funcionou o comitê de campanha de Serra em 1994 e 1996.

No mesmo prédio funcionava a empresa Gremefer Comércio e Importadora Ltda, de Gregório Marin Preciato**, casado com prima do atual candidato. A Gremafer foi a maior doadora na campanha de José Serra ao senado, em 1994, depois de conseguir um empréstimo de US$ 2,5 milhões do Banco do Brasil, em 1993, e nunca ter honrado com os pagamentos devidos. Mesmo assim, outros empréstimos foram feitos.

Em 1995, durante a gestão de Serra como ministro do planejamento, o imóvel foi oferecido como garantia de um empréstimo de US$ 500 mil do Banco Sudameris a Gremafer, em operação de venda de títulos no mercado externo, coordenada por Ricardo Sérgio de Oliveira***, então diretor de Relações Internacionais do Banco do Brasil.

Em 25 de setembro de 1997, o prédio foi declarado por José Serra como seu endereço residencial em documento de venda de outro imóvel, uma casa na Rua Atimbá 160, na Lapa, vendida ao doleiro**** paulista Magid Bechara por apenas R$ 1.

O endereço do mesmo imóvel consta como residência de Adriana Ferreira dos Santos, secretária de Verônica Serra e sua sócia, com apenas uma cota, da IRR Latin America S/C Ltda. É o que registra a 3ª alteração contratual da empresa, em 16 de março de 2001. Apesar do pequeno capital informado, de R$ 2 mil, a IRR comprou no mesmo ano, por R$ 475 mil, a casa da Rua Antônio Gouveia Giudice 737, onde Serra reside há muitos anos.

Notas:

* As informações que seguem, em grande parte estão na ação cautelar de improbidade administrativa impetrada na 4ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal pelos procuradores da República Luiz Francisco de Souza e Alexandre Camanho. Pode ser lida no Consultor Jurídico, com data de 20 de setembro de 2002. Nas informações da ação, muitas vezes são citadas reportagens da Folha de S.Paulo. Portanto, os diligentes repórteres da Folha poderiam começar seu trabalho consultando os arquivos de seu próprio jornal.

** Gregório Marin Preciado foi do conselho de administração do Banco do Estado de São Paulo (Banespa), então o banco público paulista, nomeado quando Serra era secretário de Planejamento do governo estadual, Preciado obteve uma redução de sua dívida no Banco do Brasil de R$448 milhões para irrisórios R$4,1 milhões. Também foi sócio de Serra em um terreno no Morumbi, comprado em 1981 e vendido em 25 de abril de 1995, coincidentemente um mês antes do Banco do Brasil pedir o arresto do terreno na justiça para receber a dívida de Preciado.

*** Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-tesoureiro de campanha de Serra e FHC, foi diretor da área internacional do BB e o homem da mala preta durante as privatizações.

**** A informação de que Magid Bechara é conhecido doleiro deve-se a Cláudio Humberto, e foi repetida por outros, a própria Folha registrou. Será que ao menos não interessa a um repórter saber que tipo de favor foi feito a Serra para merecer a compra de uma casa por apenas R$ 1?

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Google Street View flagra estranho personagem na casa de José Serra



O poderoso e interessante recurso do Google anda revelando inusitadas imagens das ruas por todo o planeta. Vejam acima o que descobriu na Rua Antônio Gouveia Giudice nº 737, no Alto de Pinheiros, em São Paulo.



Pouco adiante, uma estranha imagem chama a atenção na janela...



... aproximando, vejam! Seria o Serrosferatu?

***

Talvez a imagem não seja de todo verdadeira, tentem vocês ver a casa no Google Maps com endereço que é público. Mas, há algo muito mais estranho e certamente verdadeiro em relação a esta casa:

José Serra mora há muitos anos neste lugar. A casa foi comprada em 2001 pela empresa IRR LATIN AMERICA S/C LTDA, de propriedade de Verônica Serra, filha do candidato. A empresa tinha como capital apenas R$ 2 mil, mas desembolsou R$ 475 mil pelo imóvel. É impressionante como esta moça tem empresas.

Se você quiser saber de mais detalhes sobre este negócio, de muitos detalhes estranhos, leia a ação cautelar de improbidade administrativa que o corajoso procurador da república, Luiz Francisco de Souza, moveu em 2002 contra 18 pessoas e empresas ligadas ao ex-diretor do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio de Oliveira. Nesta ação, o atual candidato à presidência é citado 40 vezes.

Comece lendo aqui
, são várias páginas no site Consultor Jurídico. Uma boa leitura no prolongado feriadão.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

A velha mídia quer liberdade só para fazer propaganda


Dois fatos recentes esclarecedores:

1) A psicanalista Maria Rita Kehl foi demitida pelo Jornal O Estado de S. Paulo por artigo onde critica a desqualificação dos votos dos pobres. Diz ela: "Agora que os mais pobres conseguiram levantar a cabeça acima da linha da mendicância e da dependência das relações de favor que sempre caracterizaram as políticas locais pelo interior do País, dizem que votar em causa própria não vale. Quando, pela primeira vez, os sem-cidadania conquistaram direitos mínimos que desejam preservar pela via democrática, parte dos cidadãos que se consideram classe A vem a público desqualificar a seriedade de seus votos". Tais palavras foram consideradas pelo jornal como "delito de opinião", punido com sua demissão. Quer dizer, o jornal acha que voto de pobre não vale nada, e liberdade em suas páginas para alguém dizer o contrário é proibido. É o mesmo jornal que brada ter sido censurado recentemente, uma vítima, um desrespeito à liberdade de expressão. Quer dizer, liberdade da porta para a fora de seu prédio. Dentro, só o apoio ao candidato demotucano e seus preconceitos contra o andar de baixo.

2) Aula de jornalismo na PUC no Rio, manhã do dia 5 de outubro. A professora Marília Martins, jornalista do jornal O Globo, comenta as recentes provas de seus alunos. Para uma aluna, Gizele Martins, dirige as mais pesadas críticas. Seu crime, segundo a jornalista, ter apresentado um bom texto, mas "totalmente parcial". Ao falar do direito à moradia, a luta social que envolve a questão, a professora disse que a aluna demonstrou "simpatias" pelo MST e o Movimentos dos Sem Teto, organizações criminosas, segundo ela. E ainda alertou a aluna para que guardasse bem o diploma, pois precisaria dele para garantir "uma cela de luxo" quando estivesse na prisão. Afirmou, por fim, que defende a liberdade de expressão, mas que não há lugar para a Gizele na imprensa.

Certamente não, nesta imprensa. A Gisele teria que dizer que movimento social é sempre criminoso, que os pobres não sabem votar, mas que há "homens de bem", como o vampirotucano que pode salvar o país. Não é uma receita de jornalismo, mas de propaganda. A mídia existe, tem concessões públicas, para vender seus produtos mentirosos, contrários ao interesse de informação do povo brasileiro.

Quem, como eu, deseja apoiar a Gizele, assine o abaixo-assinado em seu favor aqui.

domingo, 3 de outubro de 2010

O dia D



Amigos, ainda estou em casa, pronto agora para sair e votar. Vou colocar durante o dia observações sobre o Dia D, de Dilma.


Para quem perguntou, segue a minha cola com os meu votos:


Deputado Estadual: Fernando Gusmão (PCdoB)
Deputado Federal: Edmilson Valentim (PCdoB)
Senadores: Lindberg (PT) e Crivella
Governador: Sérgio Cabral
Presidente: Dilma


Mais tarde, um ótimo e emocionante programa: acompanhar as apurações por todo o Brasil. Você podem baixar o software Divulga2010 direto do site do TSE. Já instalei, mais tarde vamos ver melhor como ele funciona.


E vamos acompanhar ligados na cobertura cidadã do 48 horas democracia, iniciativa do Altamiro Borges, Renato Rovai, Rodrigo Savazoni e Sérgio Amadeu. De São Paulo para o mundo. No Twitter, use a hashtag #48hvotobr.


E você que achava que protesto era anular ou votar no Levy Fidelix,Rui Pimenta. Em Caruaru eleitor foi ao limite para protestar.

sábado, 2 de outubro de 2010

Meu coração é vermelho



Deixem a Veja ficar com seu branco, vamos avermelhar esse país, do Oiapoque ao Chuí.

Lindo e criativo povo brasileiro.

O Brasil vai ficar Vermelho, Vermelhasco, Vermelhante, Vermelhão!

Deu branco na Veja



A Veja é minimalista.

Passou oito anos reportando, minimamente, que o atual presidente era um bêbado, um analfabeto, incompetente, faria um apagão, se aliava às FARC colombianas, deixaria o povo brasileiro à mercê de uma horrenda peste de gripe suína, não conseguiria enfrentar a crise econômica que viria como um tsunami...

Sempre precisa.

Agora, no final de semana das próximas eleições presidenciais, ela nos completa de "bons" conceitos.

Os candidatos não têm idéias, tenta dizer, só ela as tem. A revista que tenta se vender, até de graça em supermercados junto a sabão em pó.

A Veja nos ajuda a pensar neste final de semana, e muito.

Deu um branco nas elites conservadoras, herdeiras da casa grande, do nosso passado escravocrata, submissas ao poderio de nações estrangeiras, dona de uma mídia velha e velhaca.

O resultado é esse: um branco. O que mais teriam a dizer para fazer do pouco que ainda sabem: a propaganda?

Nada. Tentaram propagandear, e mais, e mais, e o atual presidente acaba seu mandato com estratosférica aprovação.

Ah, aquele lindo e minimalista polvo, o polvo não sabe votar, que pena.

A democracia não funciona para barrar a opinião da senzala. Os militares, procurados por ela, não podem agora ajudar. Que pena!

É um grande branco. Uma grande cegueira da nação que não a lê. Por consequência, votarão na primeira mulher presidente do Brasil.

Logo a Veja que tem um ensaio iluminado para o dia da votação. Compre seu sabão em pó e veja o que ela tem a dizer além da capa.

Eu passo, leio blogs, a mídia velha e velhaca morreu.

Não fará falta.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Uma cobertura cidadã das eleições 2010

Reproduzo comunicado de Renato Rovai, publicado em seu blog na Revista Fórum:

Nós da Revista Fórum, a Flimultimidia e a turma organizada em torno do sempre alerta Sérgio Amadeu, com o apoio do Centro de Estudos Barão de Itararé, decidimos colocar no ar uma transmissão deste processo final da eleição.

Desde amanhã pela manhã estaremos ao vivo no site www.48hdemocracia.com.br comentando a reta final da campanha, a votação e no domingo à noite fazendo a análise dos resultados.

A idéia é fazer uma cobertura colaborativa que permita à blogosfera uma informação qualificada.

Abaixo, leia um texto que escrevemos pra ajudar na mobilização. Ajude a divulgar. Aqui no meu blogue estarei fazendo a transmissão ao vivo e fazendo análises políticas.

A internet tem cumprido um papel fundamental no processo eleitoral brasileiro.

O esperado “efeito obama”, de produzir uma campanha pela rede que substituísse todas as outras mídias, não ocorreu. Mas foi por meio da blogosfera, do Twitter, das redes sociais, que muita gente teve acesso à verdade, principalmente se levarmos em consideração a oposição que os maiores veículos de comunicação do país têm feito às candidaturas que não se identificam com o seus projetos.

Queremos que continue assim. Por isso, nesta reta final, reunimos um grupo de jornalistas, ativistas e blogueiros para produzir uma cobertura cidadã das eleições.

Montamos um estúdio na sede da Revista Fórum e iremos transmitir sábado e domingo, em tempo integral, debates, conversas, análises e informações produzidas pela rede, de forma colaborativa.

Usaremos esse poderoso instrumento de comunicação descentralizado para ofertar aos cidadãos uma alternativa em relação aos grandes meios. Com isso, a verdade pode mais uma vez prevalecer.

Queremos também ser um ponto-de-encontro virtual e presencial para as pessoas que têm o que dizer e que são a grande maioria deste país.

Vamos exercitar a democracia e a liberdade de expressão que vigora hoje no Brasil como em nenhum outro momento de nossa história.

Junte-se a nós, de várias maneiras.

Ligue para a gente pelo Skype: Quarentaeoitohoras_Democracia

Qualquer dúvida e sugestão, escreva para 48horasdemocracia@gmail.com

Nas redes sociais, adote a #hashtag: #48hvotobr

Altamiro Borges, Renato Rovai, Rodrigo Savazoni e Sérgio Amadeu

A entrevista do Lula que o JN não vai dar

Entrevista do presidente Lula à revista Carta Maior:







A Folha censura mais uma vez



O site Falha de S.Paulo foi tirado do ar por ordem judicial a pedido da Folha. O site usava humor para exercer crítica à parcialidade do jornal. Apesar da garantia na Constituição da livre expressão do pensamento, a censura usa o argumento de uso indevido de marca, um subterfúgio jurídico por colocar a propriedade da marca em maior importância do que a garantia constitucional. Obviamente o site não quer roubar a marca para fazer um outro produto, não deseja concorrência, apenas exercer o garantido direito à crítica.

A Folha pode falsificar uma ficha policial da futura presidente do Brasil.

A Folha pode fazer campanhas mentirosas contra o atual presidente.

A Folha pode vender seu espaço editorial para os interesses de um banqueiro condenado pela justiça.

A Folha pode bradar mentirosamente que o presidente é um ditador ao criticar a mídia.

Mas um blog não pode atuar no interesse do pensamento de parte importante da sociedade.

A Folha fede!

O último debate e o próximo domingo

Algumas rápidas considerações sobre o último debate:

1) Dilma não foi questionada, esteve segura, passou a pauta do seu programa. Deu uma excelente resposta a Plínio sobre a diferença de seu governo das propostas do Psol, como a redução da jornada de trabalho: seu governo terá que se limitar à legalidade. Tentei soprar para a Dilma "pacto social", mas ela não me ouviu. Mas fez claras afirmações sobre os compromissos democráticos. Ela está certíssima. Quem tem que abrir espaço para propostas como esta é a sociedade, não o governo. Revolução não será feita pelo voto. Algo que só uma esquerda com radicalismos de salão acredita, coisa de reformista que nãio tem espelho em casa. Nunca antes este ponto havia sido colocado em campanha. Ponto pra ela quer falou como estadista.

2) Serra manteve seu discurso de promessas e mais promessas. Só. Estava com cara de cachorro abandonado, o que parece ser a maior verdade. Mal acabou o debate e já pipocavam reclamações de seus correligionários. Bye bye!

3) Fiquei muito impressionado com a Marina. Como ela conseguiu até agora ter 10% do eleitorado? E dizem que entre pessoas mais escolarizadas. Impossível entender. Ela não conseguiu fechar uma única idéia, sempre os mesmos clichês sobre crescimento com sustentabilidade, projeto estratégico, mas sem explicar uma única idéia. Serra ainda mente prometendo aumentos, mais verbas etc. Marina promete pensar no futuro. Por enquanto só blá blá blá.

Resumindo: Dilma está eleita. Só uma enorme surpresa evita o segundo turno.

Sugiro que leiam a entrevista com o Antonio Risério na Folha hoje. Ele diz que Serra é um blefe. É gente como ele que fez toda a diferença na campanha de Dilma.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Serra e Gilmar. E dizem que eu exagero ao apontar canalhas



Que república é essa onde um candidato à presidência troca figurinhas e dá orientação ao STF? Que Supremo é esse? Quem são esses senhores?

Na Folha, hoje:

Após falar com Serra, Mendes para sessão

Ministro do STF adiou julgamento que pode derrubar exigência de dois documentos na hora de votar, pedida pelo PT

Candidato e ministro negam conversa, que foi presenciada pela Folha; julgamento sobre se lei vale continuará hoje

MOACYR LOPES JUNIOR
CATIA SEABRA
DE SÃO PAULO

Após receber uma ligação do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes interrompeu o julgamento de um recurso do PT contra a obrigatoriedade de apresentação dos dois documentos na hora de votar.

Serra pediu que um assessor telefonasse para Mendes pouco antes das 14h, depois de participar de um encontro com representantes de servidores públicos em São Paulo.
A solicitação foi testemunhada pela Folha.

No fim da tarde, Mendes pediu vista (mais prazo para análise), adiando o julgamento. Sete ministros já haviam votado pela exigência de apresentação de apenas um documento com foto, descartando a necessidade do título de eleitor.
A obrigatoriedade da apresentação de dois documentos é apontada por tucanos como um fator a favor de Serra e contra sua adversária, Dilma Rousseff (PT). A petista tem o dobro da intenção de votos de Serra entre os eleitores com menos escolaridade.
A lei foi aprovada com apoio do PT e depois sancionada por Lula, sem vetos.

"MEU PRESIDENTE"

Ontem, após pedir que o assessor ligasse para o ministro, Serra recebeu um celular das mãos de um ajudante de ordens, que o informou que Mendes estava na linha.
Ao telefone, Serra cumprimentou o interlocutor como "meu presidente". Durante a conversa, caminhou pelo auditório. Após desligar, brincou com os jornalistas: "O que estão xeretando?"

Depois, por meio de suas assessorias, Serra e Mendes negaram a existência da conversa.

Para tucanos, a exigência da apresentação de dois documentos pode aumentar a abstenção nas faixas de menor escolaridade.

Temendo o impacto sobre essa fatia do eleitorado, o PT entrou com a ação pedindo a derrubada da exigência.

O resultado do julgamento já está praticamente definido, mas o seu final depende agora de Mendes.

Se o Supremo não julgar a ação a tempo das eleições, no próximo domingo, continuará valendo a exigência.

À Folha, o ministro disse que pretende apresentar seu voto na sessão de hoje.

CONSENSO

Antes da interrupção, foi consenso entro os ministros que votaram que o eleitor não pode ser proibido de votar pelo fato de não possuir ou ter perdido o título.

Votaram assim a relatora da ação, ministra Ellen Gracie, e os colegas José Antonio Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa, Carlos Ayres Britto e Marco Aurélio Mello.

Para eles, o título, por si só, não garante que não ocorram fraudes. Argumentam ainda que os dados do eleitor já estão presentes, tanto na sessão, quanto na urna em que ele vota, sendo suficiente apenas a apresentação do documento com foto.
"A apresentação do título não é tão indispensável quanto a do documento com foto", disse Ellen Gracie.

O ministro Marco Aurélio afirmou que ele próprio teve de confirmar se tinha seu título de eleitor. "Procurei em minha residência o meu título", disse. "Felizmente, sou minimamente organizado."

A obrigatoriedade da apresentação de dois documentos foi definida em setembro de 2009, quando o Congresso Nacional aprovou uma minirreforma eleitoral.

O PT resolveu entrar com a ação direta de inconstitucionalidade semana passada por temer que a nova exigência provoque aumento nas abstenções.

O advogado do PT, José Gerardo Grossi, afirmou que a exigência de dois documentos para o voto é um "excesso". "Parece que já temos um sistema suficientemente seguro para que se exija mais segurança", disse.


Foto acima de Moacyr Lopes Junior/Folhapress

Salve, Jorge!



Não sei se acredito mais neste temor, ou neste outro.

Gostaria de lembrar o seguinte: o desespero não é nosso. Vamos ficar apenas alertas. Mas, com a lança pronta para atacar os dragões da maldade. Se vierem, saberemos lutar!

Quem precisa de boatos?

Em site de apoio à "ética" candidata Bláblárina:



A resposta da Dilma:

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Para você que ainda está indeciso ao votar (3)



Esta é a Dilma. Este é um dos merdas que estão do outro lado, que imaginou questionar a atual candidata sobre suas "mentiras" sob tortura. Dois nítidos campos. Dois Brasis.

De que lado você fica?

Rafael, o Google me deu uma bela alegria

"As alegrias que o Google me dá" é uma das mais criativas e inspiradas criações deste mundo da web, obra deste gênio que é o Rafael Galvão. Meu fígado agradece penhoradamente pelas desopilantes leituras.

Pois, aqui temos uma interessante alegria via o "grande irmão". Pesquisa de imagens feita hoje no AbundaCanalha:

Dilma safada dando o #%@*

Resultado?

Clique aqui.

Para você que ainda está indeciso ao votar (2)



Dilma é a candidata de Lula, seu compromisso é com a continuidade e ampliação das conquistas de seu governo.

O vampiro é o candidato de FHC, o presidente das privatizações. Seu compromisso é com a volta do neoliberalismo, que ficou desnudo na última crise do capitalismo mundial.

Que tal uma comparação? O vídeo acima é preciso.

Não vai haver segundo turno para presidente

Faço minha aposta aqui, Dilma será eleita no domingo. Não é difícil chegar a esta conclusão.

1) Apenas a Datafraude tem números que indicam forte queda de Dilma e subida de Serrosferatu e Blablarina. São as derradeiras balas desta guerra infame da mídia velha e velhaca.

2) O candidato vampiro está mais agora para zumbi. Perdido, sem apoio até do seu patrono FHC que já correu da derrota, vai deixá-la no colo do seu fracassado candidato.

3) E vem aí o voto útil.

Para entender melhor, nada como um especialista, o Hayle Gadelha:

O voto útil entra em campo

Cada dia que passa, fica mais difícil haver segundo turno. Dilma continua na faixa dos 55% ou 56% na simulação de votos válidos, com Serra e Marina empacados na faixa dos 28% e 14%. Ou seja, não aconteceu ainda nada capaz de alterar profundamente o quadro. Acrescente-se a isso ofenômeno típico da véspera da eleição, que é a opção pelo voto útil. Ninguém quer “perder” o voto, e parte do eleitorado, indefinido, vota em quem tem mais chances de vencer. Dilma só tem a ganhar com isso. Mas é preciso estimular o voto útil: clima de vitória nas ruas e nos programas eleitorais que restam, bandeiras, muita agitação positiva, Lula e Dilma com grande emoção (atenção, emoção pra cima!). Depois é só correr pro abraço: a comemoração de domingo será em vários turnos.

A "democrática" mídia velha e velhaca



A mídia estrebucha quando o presidente a critica por sua parcialidade. Diz que Lula é um ditador, é contra a liberdade de imprensa. Como pode? Um ditador que viveu quase oito anos sendo chamado de bêbado, de analfabeto, de incapaz por essa mídia, sem reagir. Durante quase oito anos seu governo foi perseguido impiedosamente, em campanhas torpes e mentirosas.

A mídia é que é tirana. Quer reinar sozinha em seu império da desinformação. Não aceita uma crítica sem reagir como inocente vítima.

Mas agora ela já não pode agir como antes. Sua parcialidade, suas mentiras, têm rápida resposta. Como neste claro exemplo: uma fala de José Dirceu, inimigo eterno desta imprensa partidária e golpista, foi mudada escandalosamente.

Leiam o texto do Marco Weissheimer em seu blog:

Os grandes jornais, rádios e redes de TVs do Brasil publicaram dias atrás uma notícia falsa e mentirosa que ajudou a alimentar uma burlesca cruzada cívica contra uma suposta ameaça à liberdade de imprensa no país, partindo do PT e do governo Lula. No dia 14 de setembro, o jornal O Estado de São Paulo publicou matéria intitulada “Na BA, José Dirceu critica excesso de liberdade de imprensa no Brasil”. Um trecho da “reportagem”:

Em palestra para sindicalistas do setor petroleiro da Bahia, na noite desta segunda-feira, 13, em Salvador, o ex-ministro da Casa Civil e líder do PT José Dirceu criticou o que chamou de “excesso de liberdade” da imprensa. “O problema do Brasil é o monopólio das grandes mídias, o excesso de liberdade e do direito de expressão e da imprensa”, disse.

As declarações atribuídas a José Dirceu são falsas. Mais grave ainda: ele disse exatamente o contrário: “Não existe excesso de liberdade; para quem já viveu em ditadura não existe excesso de liberdade”. (ver vídeo acima)

A mesma matéria falsa e mentirosa foi reproduzida por dezenas de outros veículos de comunicação em todo o Brasil. Algum desmentido? Algum “erramos”? Nada. Do alto de uma postura arrogante e cínica, os editores desses veículos seguiram reproduzindo a informação.

Um outro exemplo, no mesmo contexto da suposta ameaça à liberdade de imprensa que estaria pairando sobre a vida democrática do país. Há dois escandalosos casos concretos de censura registrados na campanha até aqui: ambos foram protagonizados por tucanos. O candidato José Serra exigiu que fossem apreendidos os arquivos de vídeo que registraram sua discussão com a jornalista Márcia Peltier, durante entrevista na CNT. O “democrata” Serra se irritou com as perguntas, ameaçou abandonar o programa e exigiu que as fitas fossem entregues à sua equipe, o que acabou acontecendo. O outro caso ocorreu agora no Paraná, onde o candidato do PSDB ao governo do Estado, Beto Richa, conseguiu proibir na Justiça a divulgação de pesquisas eleitorais.

Onde está a indignação e a ira dos jornalistas, juristas e intelectuais que denunciaram o “mal a ser evitado”? O vídeo acima mostra que as práticas da chamada grande imprensa estão ultrapassando o âmbito da manipulação editorial e ingressando na esfera do crime organizado. É um absurdo que jornalistas que se julguem sérios e que respeitem a profissão que abraçaram sejam cúmplices e/ou omissos diante desse tipo de coisa.

O PT e os partidos e organizações sociais que apóiam a candidatura de Dilma Rousseff poderiam convidar jornalistas internacionais para acompanhar o que está acontecendo no Brasil e divulgar para o resto do mundo esse tipo de prática.

Para você que ainda está indeciso ao votar (1)

Saiba que circulam vários emails com falsas acusações contra a candidatura da Dilma Rousseff. Falam de coisas absurdas, como ela ser proibida de entrar nos EUA, mesmo tendo estado lá recentemente, entre outras várias baboseiras.

Se você recebeu, ou parente, ou amigo, saiba que para cada um deles há uma resposta que o desmente.

Leia a lista feita pelo Stanley Burburinho.

Não se deixe enganar. Vamos votar com consciência. Abaixo as fraudes e mentiras.

E naquela cloaca outonal...

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Ahmadinejad está certo, o 11/9 foi uma fraude


Mahmoud Ahmadinejad está certíssimo quando, em discurso na ONU, colocou em dúvida a autoria dos atentados às Torres Gêmeas. O Brasil não inventou a velha e velhaca mídia golpista. No 11/9 a imprensa americana olhou para outro lado, esquecendo de apurar fatos claríssimos. Há muitos, vamos só a um:

Uma semana antes dos atentados aconteceu um forte e estranho movimento nas bolsas americanas em ações de empresas que se envolveriam com o 11/9, como American Ailines, entre outras.

Eram operações futuras, nas chamadas "put options", onde ganha-se com a queda das ações. Coisa deste grande cassino.

Quem percebeu e alertou poucos dias após a tragédia foi a grande mídia, avisada por vários operadores. Vejam aqui o que disse a CBS. Eles sabiam e já adiantavam, sem provas, que Osama Bin Ladem estava ganhando um dinheirinho.

Não mais tocaram no assunto. Perderam o interesse. Esqueceram um princípio básico do jornalismo investigativo: "siga o dinheiro".

Quem seguiu, fora da grande mídia é claro, descobriu uma estranha relação entre o movimento e escritórios de operação no mercado de capitais que estavam ligados a grandes nomes da CIA, como o de A.B. Krongard, o diretor da agência.

A reportagem, que poderia ser a mais premiada da história do jornalismo americano, nunca aconteceu. Mas apareceram vários colunistas da grande imprensa para jogar a apuração na vala comum destinada às teorias conspiratórias. A internet ficou como culpada por espalhar boatos, apesar do pesado volume de informação que confirmava o fato.

Tente uma pesquisa no Google com "insider trading 9/11", sem as aspas, e faça você o julgamento sobre o que disse Ahmadinejad.

O PIG é internacional.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Pela mais ampla liberdade de expressão

Documento do Centro de Estudos Barão de Itararé, lido durante o ato que lotou o auditório do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo na noite desta quinta-feira, 23 de setembro:

O ato “contra o golpismo midiático e em defesa da democracia”, proposto e organizado pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, adquiriu uma dimensão inesperada. Alguns veículos da chamada grande imprensa atacaram esta iniciativa de maneira caluniosa e agressiva. Afirmaram que o protesto é “chapa branca”, promovido pelos “partidos governistas” e por centrais sindicais e movimentos sociais “financiados pelo governo Lula”. De maneira torpe e desonesta, estamparam em suas manchetes que o ato é “contra a imprensa”.

Diante destas distorções, que mais uma vez mancham a história da imprensa brasileira, é preciso muita calma e serenidade. Não vamos fazer o jogo daqueles que querem tumultuar as eleições e deslegitimar o voto popular, que querem usar imagens da mídia na campanha de um determinado candidato. Esta eleição define o futuro do país e deveria ser pautada pelo debate dos grandes temas nacionais, pela busca de soluções para os graves problemas sociais. Este não é momento de baixarias e extremismos. Para evitar manipulações, alguns esclarecimentos são necessários:

1. A proposta de fazer o ato no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo teve uma razão simbólica. Neste auditório que homenageia o jornalista Vladimir Herzog, que lutou contra a censura e foi assassinado pela ditadura militar, estão muitos que sempre lutaram pela verdadeira liberdade de expressão, enquanto alguns veículos da “grande imprensa” clamaram pelo golpe, apoiaram a ditadura – que torturou, matou, perseguiu e censurou jornalistas e patriotas – e criaram impérios durante o regime militar. Os inimigos da democracia não estão no auditório Vladimir Herzog. Aqui cabe um elogio e um agradecimento à diretoria do sindicato, que procura manter este local como um espaço democrático, dos que lutam pela verdadeira liberdade de expressão no Brasil.

2. O ato, como já foi dito e repetido – mas, infelizmente, não foi registrado por certos veículos e colunistas –, foi proposto e organizado pelo Centro de Estudos Barão de Itararé, entidade criada em maio passado, que reúne na sua direção, ampla e plural, jornalistas, blogueiros, acadêmicos, veículos progressistas e movimentos sociais que lutam pela democratização da comunicação. Antes mesmo do presidente Lula, no seu legítimo direito, criticar a imprensa “partidarizada” nos comícios de Juiz de Fora e Campinas, o protesto contra o golpismo midiático já estava marcado. Afirmar o contrário, insinuando que o ato foi “orquestrado”, é puro engodo. Tentar atacar um protesto dos que discordam da cobertura da imprensa é tentar, isto sim, censurar e negar o direito à livre manifestação, o que fere a própria Constituição. É um gesto autoritário dos que gostam de criticar, mas não aceitam críticas – que se acham acima do Estado de Direito.

3. Esta visão autoritária, contrária aos próprios princípios liberais, fica explícita quando se tenta desqualificar a participação no ato das centrais sindicais e dos movimentos sociais, acusando-os de serem “ligados ao governo”. Ou será que alguns estão com saudades dos tempos da ditadura, quando os lutadores sociais eram perseguidos e proibidos de se manifestar? O movimento social brasileiro tem elevado sua consciência sobre o papel estratégico da mídia. Ele é vítima constante de ataques, que visam criminalizar e satanizar suas lutas. Greves, passeatas, ocupações de terra e outras formas democráticas de pressão são tratadas como “caso de polícia”, relembrando a Velha República. Nada mais justo que critique os setores golpistas e antipopulares da velha mídia. Ou será que alguns veículos e até candidatos, que repetem o surrado bordão da “república sindical”, querem o retorno da chamada “ditabranda”, com censura, mortos e desaparecidos? O movimento social sabe que a democracia é vital para o avanço de suas lutas e para conquista de seus direitos. Por isso, está aqui! Ele não se intimida mais diante do terrorismo midiático.

4. Por último, é um absurdo total afirmar que este ato é “contra a imprensa” e visa “silenciar” as denúncias de irregularidades nos governos. Só os ingênuos acreditam nestas mentiras. Muitos de nós somos jornalistas e sempre lutamos contra qualquer tipo de censura (do Estado ou dos donos da mídia), sempre defendemos uma imprensa livre (inclusive da truculência de certos chefes de redação). Quem defende golpes e ditaduras, até em tempos recentes, são alguns empresários retrógrados do setor. Quem demite, persegue e censura jornalistas são os mesmos que agora se dizem defensores da “liberdade de imprensa”. Somos contra qualquer tipo de corrupção, que onera os cidadãos, e exigimos apuração rigorosa e punição exemplar dos corruptos e dos corruptores. Mas não somos ingênuos para aceitar um falso moralismo, típico udenismo, que é unilateral no denuncismo, que trata os “amigos da mídia” como santos, que descontextualiza denúncias, que destrói reputações, que desrespeita a própria Constituição, ao insistir na “presunção da culpa”. Não é só o filho da ex-ministra Erenice Guerra que está sob suspeição; outros filhos e filhas, como provou a revista CartaCapital, também mereceriam uma apuração rigorosa e uma cobertura isenta da mídia.

5- Neste ato, não queremos apenas desmascarar o golpismo midiático, o jogo sujo e pesado de um setor da imprensa brasileira. Queremos também contribuir na luta em defesa da democracia. Esta passa, mais do que nunca, pela democratização dos meios de comunicação. Não dá mais para aceitar uma mídia altamente concentrada e perigosamente manipuladora. Ela coloca em risco a própria a democracia. Vários países, inclusive os EUA, adotam medidas para o setor. Não propomos um “controle da mídia”, termo que já foi estigmatizado pelos impérios midiáticos, mas sim que a sociedade possa participar democraticamente na construção de uma comunicação mais democrática e pluralista. Neste sentido, este ato propõe algumas ações concretas:

- Desencadear de imediato uma campanha de solidariedade à revista CartaCapital, que está sendo alvo de investida recente de intimidação. É preciso fortalecer os veículos alternativos no país, que sofrem de inúmeras dificuldades para expressar suas idéias, enquanto os monopólios midiáticos abocanham quase todo o recurso publicitário. Como forma de solidariedade, sugerimos que todos assinemos publicações comprometidas com a democracia e os movimentos sociais, como a Carta Capital, Revista Fórum, Caros Amigos, Retrato do Brasil, Revista do Brasil, jornal Brasil de Fato, jornal Hora do Povo, entre outros; sugerimos também que os movimentos sociais divulguem em seus veículos campanhas massivas de assinaturas destas publicações impressas;

- Solicitar, através de pedidos individuais e coletivos, que a vice-procuradora regional eleitoral, Dra. Sandra Cureau, peça a abertura dos contratos e contas de publicidade de outras empresas de comunicação – Editora Abril, Grupo Folha, Estadão e Organizações Globo –, a exemplo do que fez recentemente com a revista CartaCapital. É urgente uma operação “ficha limpa” na mídia brasileira. Sempre tão preocupadas com o erário público, estas empresas monopolistas não farão qualquer objeção a um pedido da Dra. Sandra Cureau.

- Deflagrar uma campanha nacional em apoio à banda larga, que vise universalizar este direito e melhorar o PNBL recentemente apresentado pelo governo federal. A internet de alta velocidade é um instrumento poderoso de democratização da comunicação, de estimulo à maior diversidade e pluralidade informativas. Ela expressa a verdadeira luta pela “liberdade de expressão” nos dias atuais. Há forte resistência à banda larga para todos, por motivos políticos e econômicos óbvios. Só a pressão social, planejada e intensa, poderá garantir a universalização deste direito humano.

- Apoiar a proposta do jurista Fábio Konder Comparato, encampada pelas entidades do setor e as centrais sindicais, do ingresso de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) por omissão do parlamento na regulamentação dos artigos da Constituição que versam sobre comunicação. Esta é uma justa forma de pressão para exigir que preceitos constitucionais, como o que proíbe o monopólio no setor ou o que estimula a produção independente e regional, deixem de ser letra morta e sejam colocados em prática. Este é um dos caminhos para democratizar a comunicação.

- Redigir um documento, assinado por jornalistas, blogueiros e entidades da sociedade civil, que ajude a esclarecer o que está em jogo nas eleições brasileiras e que o papel da chamada grande imprensa tem jogado neste processo decisivo para o país. Ele deverá ser amplamente divulgado em nossos veículos e será encaminhado à imprensa internacional.

Os últimos cartuchos da velha mídia golpista


Depois de oito anos de implacável perseguição ao atual governo, a todos os sintomas de progresso, da farta distribuição de preconceitos contra o povo brasileiro, a velha mídia tenta seus últimos disparos nos instantes finais de sua agonizante batalha. Ela sabe que o futuro chegou. A informação não tem mais mão única. Uma farsa construída pode agora ser rebatida rapidamente. Algo que era inimaginável para os candidatos a Cidadão Kane. Seus impérios estão em risco em todo o planeta. Aqui, a nossa provinciana e comprometida imprensa estrebucha com o pé na cova

Um exemplo de hoje. Leiam a reporcagem do Estadão para criar mais um factóide contra a candidatura de Dilma, implicando o ministro Franklin Martins com favorecimento ilícito para seu filho. Leram? Agora leiam a rápida resposta do Franklin. Jornalista experiente, desmonta a farsa ponto a ponto. E mais, dá a informação sobre a fonte da reporcagem, um tal de Angelo Varela de Albuquerque Neto, que já havia tentado chantagear funcionários da EBC por interesses comerciais. Esta informação foi omitida pelo jornal.

Vamos protestar contra a velha e comprometida mídia, que ainda imagina viver seu esplendor golpista dos anos 50 e 60:

São Paulo:
Ato nesta quinta-feira, 23 de setembro, às 19 horas, no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (rua Rego Freitas, 530, centro de São Paulo)

Rio de Janeiro:
Nesta quinta-feira, ato "Contra o golpismo midiático e em defesa da democracia", às 15 horas, em frente ao Clube Militar (Av. Rio Branco, Nº 251, Centro, RJ).


Charge acima de Carlos Latuff no #rioblogprog.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

As pesquisas e uma surpresa



A do Datafalha divulgada hoje não surpreende. Este modesto blog já havia antecipado em agosto o joguinho sujo na reta final da campanha. Os alegados 5% de diferença não foram percebidos no tracking diário do Vox Populi. Vamos esperar os outros institutos para termos a certeza de mais uma mãozinha da mídia ao candidato que é recebido com "entusiasmo" nas ruas.

Surpresa mesmo vem do Maranhão, o Rovai comentou hoje. Pesquisa encomendada pelo O Estado do Maranhão, da família Sarney, confirma o que o Ibope já havia antecipado dia 17 último: ao contrário dos prognósticos, a eleição caminha para o segundo turno, com uma disputa acirrada pelo segundo nome que vai concorrer com Roseana Sarney. Os candidatos Jackson Lago (PDT) e Flávio Dino (PCdoB) estão empatados. Continuando a curva descendente de Roseana e a ascendente de Dino, teremos um governo belamente vermelho no Maranhão.

Estamos com Flávio Dino.

Carta dos blogueiros progressistas

“A liberdade da internet é ainda maior que a liberdade de imprensa”. Ministro Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal (STF)

Em 20, 21 e 22 de agosto de 2010, mulheres e homens de várias partes do país se reuniram em São Paulo para materializar uma entidade, inicialmente abstrata, dita blogosfera, que vem ganhando importância no decorrer desta década devido à influência progressiva na comunicação e nos grandes debates públicos.

A blogosfera é produto dos esforços de pessoas independentes das corporações de mídia, os blogueiros progressistas, designação que se refere àqueles que, além de seus ideais humanistas, ousaram produzir uma comunicação compartilhada, democrática e autônoma. Contudo, produzir um blog independente, no Brasil, ainda é um gesto de ativismo e cidadania que não conta com os meios adequados para exercer a atividade.

Em busca de soluções para as dificuldades que persistem para que a blogosfera progressista siga crescendo e ganhando influência em uma comunicação dominada por oligopólios poderosos, influentes e, muitas vezes, antidemocráticos, os blogueiros progressistas se unem para formular propostas de políticas públicas e pelo estabelecimento de um marco legal regulatório que contemple as transformações pelas quais a comunicação passa no Brasil e no mundo.

Com base nesse espírito que permeou o 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, os participantes deliberaram em favor dos seguintes pontos:

1. Apoiamos o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), de iniciativa do governo federal, como forma de inclusão digital de expressiva parcela do povo brasileiro alijada da internet no limiar da segunda década do século XXI. Esta exclusão é inaceitável e incompatível com os direitos fundamentais do homem à comunicação em um momento histórico em que os avanços tecnológicos na área já são acessíveis em diversos países.

Apesar do apoio ao PNBL, os blogueiros progressistas julgam que esta iniciativa positiva ainda precisa de aprimoramento. Da forma como está, o plano ainda oferece pouco para que a internet possa ser explorada em todas as suas potencialidades. Reivindicamos a universalização deste direito, que deve ser encarado com um bem público. A velocidade de conexão a ser oferecida à sociedade sem cobrança dos custos exorbitantes da iniciativa privada, por exemplo, precisa ser ampliada.

2. Defendemos a regulamentação dos Artigos 220, 221 e 223 da Constituição Federal, que legislam sobre a comunicação no Brasil. Entre outras coisas, eles proíbem a concentração abusiva dos meios de comunicação, estimulam a produção independente e regional e dispõem sobre os sistemas público, estatal e privado. Por omissão do Poder Legislativo e sob sugestão do eminente professor Fabio Konder Comparato, os blogueiros progressistas decidem apoiar o ingresso na Justiça brasileira de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) com vistas à regulamentação dos preceitos constitucionais citados.

3. Combatemos iniciativas que visam limitar o uso da internet, como o projeto de lei proposto pelo senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), o “AI-5 digital”, que impõe restrições policialescas à liberdade de expressão. Defendemos o princípio da neutralidade na rede, contra a proposta do chamado “pedágio na rede”, que daria aos grandes grupos de mídia o poder de veicular seus conteúdos na internet com vantagens tecnológicas, como capacidade e velocidade de conexão, em detrimento do que é produzido por cidadãos comuns e pequenas empresas de comunicação.

4. Reivindicamos a elaboração de políticas públicas que incentivem a blogosfera e estimulem a diversidade informativa e a democratização da comunicação. Os recursos governamentais não devem servir para reforçar a concentração midiática no país.

5. Cobramos do Executivo e do Legislativo que garantam a implantação das deliberações da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), em especial a da criação do imprescindível Conselho Nacional de Comunicação.

6. Deliberamos pela instituição do encontro anual dos blogueiros progressistas, como um fórum plural, suprapartidário e amplo. Ele deve ocorrer, sempre que possível, em diferentes capitais para que um número maior de unidades da Federação tenha contato com esse evento e com o universo da blogosfera.

7. Lutaremos para instituir núcleos de apoio jurídico aos blogueiros progressistas, no âmbito das tentativas de censura que vêm sofrendo, sobretudo por parte de setores políticos conservadores e de grandes meios de comunicação de massas.

São Paulo, 22 de agosto de 2010.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

A última luta contra a ditadura

Texto de Miguel do Rosário no Blog da Organização do #RioBlogProg, Encontro Estadual dos Internautas Progressistas do Rio de Janeiro.


A julgar pelos editoriais, a imprensa brasileira se acha uma vítima trêmula e indefesa, pronta para ser devorada pelo bicho papão totalitário. Claro que há o constrangimento de ter apoiado a ditadura, contra o mesmo bicho papão, mas se ele (o papão) não existia antes e mesmo assim justificou-se um golpe de Estado, não é tão difícil inventar novamente o mesmo inimigo; dessa vez não exatamente para dar um golpe, mas algo mais fácil, como queimar um candidato e eleger outro. Considerando que esses jornais transformaram-se em poderosos conglomerados econômicos à sombra do regime militar, pode-se especular que nossa batalha contra os desmandos desses grupos consiste na última luta dos brasileiros contra o fascismo que pendurou nossa liberdade e nossas esperanças, por vinte longos anos, num pau de arara.

Como empresas privadas, os jornais têm liberdade para defender ou atacar seja quem for, mas a Constituição ficaria grata se evitassem desrespeitar o direito dos indivíduos à honra e à privacidade e, sobretudo, se se esforçassem em conter seus ódios pessoais e tratassem as instituições democráticas e seus representantes com um mínimo de decoro e respeito. Não pedimos isenção. Ao contrário, pedimos honestidade em declarar sua preferência partidária, como fazem os jornais norte-americanos, o que ajudaria os leitores a separar notícia de opinião e entender melhor o que estão lendo.

Conhecemos a imprensa de outros países e francamente não observamos em lugar nenhum do mundo (com exceção dos EUA, onde imprensa deixa bem claro de que lado está) um engajamento partidário tão enlouquecido e agressivo como vemos no Brasil.

A imprensa de fato tornou-se um quarto poder, mas à diferença dos outros poderes, goza de uma liberdade quase selvagem. Pode incentivar as pessoas a tomarem remédios que não precisam, espalhar informações falsas sobre partidos, destruir a reputação de inocentes, pressionar juízes a emitir ordens de prisão (ou de habeas corpus), desestabilizar governos... E quando setores da sociedade, como as associações de medicina, por exemplo, iniciam debates para criar leis que regulamentem o uso de informações sobre saúde, os grupos de mídia não apenas se recusam a dialogar como lançam pesadas acusações contra os que desejam o debate. Eles se pretendem intocáveis. A liberdade de imprensa converte-se, portanto, em objeto de luxo de uso exclusivo de meia dúzia de proprietários de jornais e tv.

Não temos ilusão quanto aos defeitos de nossa classe política e seus representantes, mas também não nos iludimos quanto à perseguição seletiva praticada por uma imprensa desde sempre identificada com ideais conservadores - e portanto com os partidos afinados com esses ideais.

Protestamos, em suma, contra hábitos sinistros que estão se arraigando em nossa imprensa, como fazer acusações sem provas e prejulgar pessoas e instituições de maneira açodada, desrespeitando o princípio da presunção da inocência. Com seu poder, a mídia consegue intimidar inclusive juízes, produzindo outra aberração contra a democracia, que é obstruir o direito de todo cidadão ou empresa de ter um julgamento isento e livre, longe das paixões políticas.

Protestamos, principalmente, contra a tentativa de interferir no processo eleitoral, através da criação de factóides que vão parar diretamente, às vezes no mesmo dia, na página de alguns candidatos. Denúncias devem ser feitas, claro, mas embasadas num mínimo de provas e fundamentos lógicos. Os escândalos que pipocam não nascem da intenção louvável de aprimorar o funcionamento da máquina pública, e sim do desejo mal disfarçado de produzir estragos políticos no adversário da vez.

Enfim, quando vemos a mídia engajada em campanhas partidárias, e ainda lançando suspeitas de que há forças querendo censurá-la ou silenciá-la (o que é mentira); e, para culminar, participando de seminários no Clube Militar, como o que deverá acontecer dia 23 de setembro deste ano, intitulado "Democracia Ameaçada", muitos cidadãos começam a se questionar, preocupados, se haveria alguém imaginando um golpe, seja um violento, com uso de armas, seja um "pacífico", como fizeram em Honduras no ano passado, onde o presidente eleito, após decisão do Supremo Tribunal Federal (convertido assim num poder quase monárquico, acima da soberania popular), foi preso pelo exército e conduzido para fora do país. Todos, incluindo o golpe contra Chávez, em 2002, tem algo em comum: a cumplicidade entre oposição conservadora e corporações midiáticas.

Falamos apenas dos jornais. Quanto à mídia televisiva, os fatos são muito mais graves, porque são concessionárias de serviço público, e há leis que proibem a veiculação de material entendido como propaganda partidária.

Quando chamamos a imprensa de golpista, portanto, referimo-nos não só a seu papel fundamental na preparação do golpe de 64 e na consolidação política do regime militar, como também no esforço constante, até hoje, para derrubar ou eleger governantes a partir de artifícios nada éticos de manipulação da notícia.

Reiteramos nosso apreço pela liberdade de imprensa e de expressão, mas observamos que estas liberdades não são direitos exclusivos dos donos de jornal: elas também valem para o leitor, que não deve ser enganado; e para o jornalista, que deve ter direito a trabalhar sem se submeter aos caprichos ideológicos do patrão.

Por fim, convidamos a todos a se libertarem do vício triste de pensar com a cabeça alheia, e a conhecerem a blogosfera política, onde se trata a informação com muito mais profundidade: ela é verificada, checada, conferida novamente, revirada de todos os lados, discutida, rechaçada, e de novo aceita; e onde, principalmente, respeita-se a inteligência do leitor e procura-se fazer com que ele a use efetivamente, pensando politicamente por si mesmo.

Somos os representantes da edição fluminense de uma articulação nacional, os Blogueiros Progressistas, ou seja, de esquerda, e nossa luta mais importante, nas últimas semanas, tem sido desmontar as manipulações midiáticas que visam confundir e influenciar o eleitorado, deturpando a vontade popular.

Mais informações no blog http://rioblogprog.blogspot.com.