terça-feira, 11 de setembro de 2007

Osamagate 1


Esta alegre família de 22 irmãos, fotografados no verão da Suécia, em 1971, tem muitos significados na história mundial recente. Pertencem a mais abastada família da Arábia Saudita, riqueza só menor que a da real, com quem eles têm grandes afinidades. Foram todos educados no exterior, têm hábitos ocidentais e um enorme talento para negócios, herdados do pai, morto em 1968.

Desde 1979, quando o irmão mais velho, Salem bin Laden, investiu em uma certa Arbusto Energy, então propriedade do atual presidente americano, a família está presente em grandes negócios nos EUA. Por enorme coincidência, sempre com os mesmos Bush. Em 26 de outubro de 2001, os Bin Laden distribuíram uma lacônica nota a imprensa, para divulgar que retiravam US$ 2 milhões de dólares de seu investimento no Carlyle Group, um dos principais fornecedores de armas do Pentágono, onde Bush pai teve assento na direção, funcionando como um grande vendedor de seus produtos pelo mundo.

30 anos após, também, por enorme coincidência, o jovem assinalado na foto, Osama bin Laden, aqui aos 14 anos, viria a estar de novo fortemente envolvido com a família Bush. Mas, nem sempre esteve distante. Em 1985, por decisão do presidente Ronald Reagan, um forte amigo da família petroleira americana, foram feitos pesados investimentos na brigada muçulmana contra o Afeganistão soviético. O investimento foi feito via a ISI, a central de inteligência do Paquistão, que tinha ali Osama como dos principais organizadores do grupo. Mais adiante, em 1996, em Mogadíscio, na Somália, o mesmo Osama foi o anfitrião da reunião, com representantes da mesma ISI, que preparou nova brigada de muçulmanos para se incorporarem ao Kosovo Liberation Army,a KLA, que lutou na Chechênia pelos interesses estratégicos americanos, até 1998. Desta data, à frente, o departamento de estado americano e suas centrais de inteligência divulgaram a notícia de que o cara surtou, se transformando em um fundamentalista radical, inimigo dos interesses americanos. As razões, os fatos, desta virada tão radical, nunca foram provados, nem ao menos explicados, menos ainda apurados pela mídia internacional. Ao contrário das informações que aqui indico, que podem ser pesquisadas, ampliadas e comprovadas. Temos que conviver com um Osama bin Laden, alardeado como grande terrorista internacional, que ocasionalmente aparece em vídeos caseiros para impor seu medo em momentos chaves: antes, pouco antes da reeleição de Bush; na última semana, pouco antes da discussão no congresso americano da continuidade da guerra do Iraque. Parece que ele continua bastante fiel aos seus amigos do Texas.

No próximo post: o grande estrategista do Osamagate.

3 comentários:

o moço da bodega™ disse...

Impressionante registro histórico.

EL PITANGOVSKY disse...

Quanta coisa se nos escapa pelo simples preconceito com nomes e aparências. No fim dessa elucidativa matéria do cumpadi Lux, vem citado o blog que forneceu a fotomontagem com as bundetes e que tem o capcioso nome de abundacanalha que, verão, absolutamente não significa 'a bunda canalha' mas o corretissimo 'abunda canalha' e indo lá me deparei com essas duas excelentes postagens que reforçam as nossas teorias conspiratórias como nunca dantes vistas ou ouvidas.
Parece que as peças começam a se encaixar e o que era coisa de 'maluco' passa a ter cara de estratégia genial de departamento de estado.
Não deixe de ler, em hipótese nenhuma, ou correrá o risco de morrer de certeza acéfala ou teimosia jéguica.
Abs abundantes
Pitanga

http://abundacanalha.blogspot.com/2007/09/osamagate-1.html

http://abundacanalha.blogspot.com/2007/09/osamagate-2.html

Jurandir Paulo disse...

Grande, el Pitangovsky. Este é assunto que me causa calafrios. Mas é algo que pretendo voltar em breve.