quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Gabeira contra os trabalhadores

O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) selecionou dez votações havidas na atual legislatura na Câmara, Senado e Congresso que refletem o grau de comprometimento dos parlamentares com temas que afetam a vida do assalariado, “seja reduzindo, eliminando ou ampliando seus direitos e renda, seja restringindo o acesso a informações sobre a transparência no exercício das funções públicas”. Fernando Gabeira, deputado federal do PV que pretende, junto com o PSDB, governar a cidade do Rio de Janeiro, não se saiu bem. Eis as votações de Gabeira contra os interesses dos trabalhadores:

Em 13 de fevereiro de 2007, votou a favor da emenda 3 ao Projeto de Lei que criou a Super-Receita. Essa emenda obriga o trabalhador a constituir empresa e se transformar em prestador de serviço para manter o recebimento do salário. Estabelece a necessidade de decisão judicial para a autoridade fiscal considerar existente a relação de trabalho entre empresas contratantes e empresas de uma pessoa só. Segundo o Diap, essa emenda traria “graves conseqüências sobre as relações de trabalho e os cofres públicos, porque impede o fiscal do Trabalho de fiscalizar mesmo as situações fraudulentas, na medida em que essa atribuição deixaria de ser de sua competência e passaria a ser de responsabilidade exclusiva da Justiça do Trabalho”. Traria, mas não trouxe: o presidente Lula vetou essa emenda absurda, contrária aos trabalhadores, quando sancionou a lei.

No dia 9 de outubro de 2007, Gabeira deu seu voto contra a prorrogação do CPMF, cuja verba seria destinada para a Saúde pública. Perderam os trabalhadores, perdeu a população carente, que precisa da rede pública de saúde.

Pouco depois, no dia 17, Gabeira voltou a dar seu voto contra os trabalhadores, desta vez contra as entidades sindicais. Ele votou pela exigência de autorização do trabalhador para o desconto do imposto sindical na folha de pagamento. “A emenda cria dificuldades para o trabalhador porque, se não autorizar o desconto em folha, terá que se deslocar até o sindicato para pegar o boleto e recolher a contribuição na rede bancária, já que a contribuição não foi extinta nem foi tornada facultativa ou voluntária, continuando em vigor e compulsória”, explica o Diap.

No dia 31 de outubro, novamente estava Gabeira a postos para impedir recursos para a saúde. Desta vez votou contra o projeto de lei que estabelecia que a União aplicasse, anualmente, em ações e serviços públicos de saúde o montante correspondente ao empenhado no exercício anterior acrescido, no mínimo, do percentual correspondente à variação do Produto Interno Bruto.

No dia 29 de abril último, Gabeira foi à Câmara Federal para votar, desta vez, a favor dos banqueiros (não é à toa que apóiam sua candidatura...). Ele votou contra o aumento da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) para os bancos de 9% para 15%. “A medida foi adotada para repor, ainda que parcialmente, os recursos perdidos com o fim da CPMF”, informa o Diap.

E no dia 11 de junho Gabeira votou contra a criação da Contribuição Social para a Saúde, que dispunha valores mínimos a serem aplicados anualmente por estados, Distrito Federal, municípios e União em ações e serviços de saúde.

Gabeira ameaça governar o Rio de Janeiro como se fosse uma empresa. Ai de nós, trabalhadores!

Fonte: Lutario

8 comentários:

Se for Cabral...tô fora! disse...

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2008
OAS grande doadora.
Orçado e Licitado o projeto PEDAGIO URBANO NA AVENIDA CARLOS LACERDA/RJ, Linha Amarela, sai vencedora OAS Ltda como concessionária, a obra licitada inicialmente por R$ 150 Milhões, terminou por 450 Milhões. Entre as obras recentes executadas pela OAS no Rio de Janeiro contratadas pelas administrações públicas estão o Estádio Olímpico João Havelange, a reforma do Maracanã, o Rio Cidade II em Santa Cruz, o saneamento na Rocinha e a Linha Amarela.



Grandes empresários financiam campanhas eleitorais. Os maiores financiadores de campanhas, não por acaso, são justamente aqueles que têm interesse em licitações de serviços públicos. É um balcão de negócios onde a preocupação menor são os interesses do povo, o que está em jogo são os interesses dos políticos e dos grandes grupos.
Alguns candidatos têm em comum a submissão da OAS


Eduardo Paes ( PMDB )
arrecadou R$ 3.027.000, recebeu a maior parte dos recursos para a campanha do empresário Eike Batista, que doou R$ 500 mil. Paes ainda recebeu R$ 350 mil da construtora OAS e R$ 300 mil da Carioca Engenharia. Outras sete empresas do setor imobiliário também contribuíram com doações para a campanha do peemedebista.

Marcelo Crivella (PRB)
preferiu preservar os nomes de seus doadores individuais. O candidato informou, na última prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que recebeu R$ 125 mil de empresas, R$ 172.535 de pessoas físicas, e R$ 250 mil do partido. De acordo com o senador, as maiores doações vieram do Bradesco, Vale, OAS, construtora Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia.

Jandira Feghali (PC do B)
Recebeu R$ 129.780 do partido, R$ 400 mil da construtora OAS, R$ 175 mil da Bracol Holding, R$ 20 mil da Rotec Engenharia e Tecnologia em Limpeza, além de R$ 21 mil de pessoa física.


Fernando Gabeira ( PV )
Ele conta com doações do economista Armínio Fraga, do cineasta Walter Moreira Salles e do empresário Eike Batista. Também contribuíram as empresas Gerdau, que doou R$ 100 mil, e a construtora OAS, com R$ 200 mil.

Alessandro Molon (PT)
Foi depositado R$ 566 mil. As despesas com a campanha, até o momento, seriam de R$ 467,7 mil. A OAS doou R$ 100 mil pra Molon.


Solange Amaral ( DEM )
R$ 699 mil vieram do comitê do DEM, R$ 300.000 da Carvalho Hosken, R$ 50.000 da Combrascan, R$ 250.000 da Construtora OAS e R$ 50.000 da CZ6 Empreendimentos. Recursos próprios somam R$ 3.500 e doações de pessoas físicas, R$ 6.900.


Não receberam, não aparecem na mídia!


Chico Alencar, Filipe Pereira, Paulo Ramos, Vinicius Cordeiro, Eduardo Serra e Antonio Carlos da Silva

Jurandir Paulo disse...

As regras da democracia burguesa são implacáveis. Há os que as acham perfeitas e se locupletam. Outros, poucos, usam mas desejam jogá-las na vala. Interessante é o discurso do Chico Alencar: na TV se vangloria de não ter recebido nenhum dinheiro de construtoras, mas seu partido recebeu em Porto Alegre R$ 100 mil da Gerdau.

Anônimo disse...

Esse post é uma verdadeira 'diarréia mental'. Votações coerentes do Gabeira. Quando o molusco ficou sabendo das "graves conseqüências sobre os cofres públicos" (o cofre é meu e ninguém tasca), pinba, vetou a emanda 3 do PJ da Super-Receita.
Votar contra a CPMF cuja verba seria destinada p/ a saúde. É piada, nê? Já esta mais do que comprovado de que a CPMF era nociva e totalmente dispensável. Ganhou toda a população. Parabéns Gabeira.
Qualquer sindicatozinho vagabundo, com anuência do governo, mete a mão no meu dinheirinho SEM O MEU CONSENTIMENTO. Se o trabalhador quiser SER representado e contribuir para o sindicato, isso TEM QUE SER VOLUNTÁRIO e não imposto. Mais uma vez parabéns Gabeira.
Gabeira não queria o valor empenhado do exercício + variação do PIB, queria muito mais, por isso votou contra. Parabéns.
Votar contra o aumento da CSSL, coerência pura. O próprio Lula falou que NENHUM imposto seria criado ou aumentado p/ fazer frente ao fim da CPMF. Já está provado que seria desnecessário.
Mais uma vez, votar contra a recriação da CPMF c/ novo nome (embuste PTralha), o Gabeira se mostrou plenamente sincronizado c/ a maioria da população, demonstrado pela expressiva votação recebida no dia 05/10.
Cada trabalhador DEVERIA ter o DIREITO de ESCOLHER livremente SE QUER contribuir financeiramente e SER representado por qualquer sindicato. Os trabalhadores do RJ estão muito bem representados pelo deputado Gabeira do que pela infinidade monopolista de sindicatos cuja única ocupação é tingar o bolso do trabalhador.

Jurandir Paulo disse...

Caro Anônimo, diarréia é esta sua argumentação confusa. Ganhou toda a população? Quando? Onde? A CPMF é infinitamente mais justa socialmente do que a enxurrada de impostos indiretos, que pesam no mesmo valor para todos, independente de sua renda. Os diretos, como o IR, só são cobrados de assalariados. Quanto pagam os bancos sobre sua renda? Nada. Deixa de hipocrisias, assuma logo que derrubaram a CPMF para sangrar este governo, este era o objetivo. Ganha o Serra e logo volta, com mais e maiores impostos para a patuléia. E defender PJ é sintoma de modernidade no Gabeira? O sujeito é contratado sem 13º, sem abono de férias, sem FGTS. O salário é maior no início, mas logo o “santo mercado” o faz ficar igual aos outros. Ainda bem que temos um presidente sensível aos trabalhadores, que vetou. Serra aprovaria. Não é a toa que ele é o mentor da candidatura do Gabeira, são todos neoliberais, militam para o capital, no desejo de manter esse país ainda colonial, com chicotadas no andar de baixo.

Anônimo disse...

Ora meu caro Jurandir, a população ganhou quando deixou de pagar tal 'imposto' que incidia em efeito cascata sobre a cadeia produtiva, encarecendo os produtos qua a patuléia consumia. Ou vc acha que as empresas absorveriam os custos maiores sorrindo? Se a CPMF era a salvação da saúde, porque depois de vários anos de atuação da CPMF a saúde saiu da emfermaria e foi p/ a UTI?
Sangrar este governov? Vc pode nos dizer onde se processou essa sangria? visto que o governo está c/ os cofres abarrotados. O problema não é falta de dinheiro, é falta de gestão.
Nunca-na-história-deste-país se viu um presidente tão popular, não é mesmo? Então porque ainda não saiu a reforma tributária? por que a reforma tributária da PTralhada é aumento de impostos, mais dinheiro p/ dividir c/ a corja.
Defender a empresa (pequena, média ou grande) é defender o trabalho produtivo, a geração de riqueza, ou vc é daqueles que acha que o único trabalho decente é o público, cujos generosos salários são pagos pelos impostos recolhidos da patuléia?
Neoliberais?? que é isso companheiro??
Qual é o problema do Serra apoiar o Gabeira? É mais escandaloso Serra apoiar Gabeira do que Maluf (em 2004) apoiar Marta 'pelo bem de SP'?
O Rio do Gabeira tem muito que aprender com o SP de Serra.
Relaxa e goza 'cumpanhero'.

Jurandir Paulo disse...

Mas, Anônimo, a CPMF foi inventada pelo seu FHC. E na época não houve polêmica. Ela incidia sobre a cadeia produtiva? O negócio é trabalhador abrir mão de salário para ajudar a economia? Combinou com o russos? Lembra que ao incidir sobre operações financeiras ela taxava o cassino, este que foi pro espaço agora. Ou vc acha que ele faz parte da cadeia produtiva? Desenvolva a tese. Eu acho que não. Ah, a reforma tributária não saiu por culpa desse governo? Não saiu por culpa do congresso, seus interesses. Da mesma forma que nunca avançou nos governos anteriores. Eu não tenho nada contra alianças políticas. Que Gabeira ou Marta achem seus aliados e combatam seus inimigos. Democracia é essa falsidade mesmo. O que eu sou contra é encher a bola do Serra nesse momento que suas idéias fracassaram visivelmente: o tal choque de gestão, onde?, estado mínimo, incompetência administrativa etc.

Renato disse...

Só aqui que acreditam em sindicatos onde o trabalhador é obrigado a pagar a contribuição. É por isso que os presidentes dos sindicatos desfilam com carros importados e levam uma vida boa.
Sindicato tem que ser opcional, para assim ter que se esforçar e trabalhar a favor do trabalhador e convence-lo sobre a importância de estar filiado e contribuindo. Da forma que é eles viram braço político e antro da corrupção, pois já tem dinheiro garantido roubado do nosso salário com autorização do governo.

Renato disse...

Cpmf tinha que ser banida sim, gabeira estava certo.
Não engulo a parceria do pv de Gabeira com PSDB e DEM, porém O PT se aliou com a igreja UNIversal, PTB de Roberto Jeferson e agora com PMDB. Sem reforma política é isso aí gente de bem tem que se aliar a podridão para governar. Pelo menos Gabeira não se corrompeu e até o apoio do Maia ele deixa claro que não lhe interessa.