quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Uma notícia em dois tempos

Em 18 de julho de 2007:



Hoje, 28 de outubro de 2009, em discreto espaço na primeira página do Globo:



Na edição de hoje, a Folha de S.Paulo nada publicou sobre o relatório. Deveria, ao menos para novamente ouvir o governador de São Paulo, que em 18 de outubro de 2007 afirmava ao jornal que a tragédia estava prevista, e responsabilizava o governo federal:

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), esteve à noite no aeroporto de Congonhas após o acidente com o avião da TAM e afirmou que "todos tem muito o que lamentar, o que chorar", e que a cidade "está de luto". Apesar de afirmar que ainda era cedo para falar em causas, o governador disse que, para ele, o acidente foi uma tragédia anunciada. (...) "Ouvi dizer que muita gente achava isso. Inclusive eu. Mas tem que investigar com serenidade. E trabalhar para que isso não aconteça de novo". (...) O governador também falou sobre os problemas dos aeroportos no Estado. "A questão aeroportuária tem que passar por um reexame. Essa não é uma responsabilidade nossa. É Federal. Mas, como governo, nós vamos dar nossa opinião." (Folha de S.Paulo. 18/7/2007)

6 comentários:

gean disse...

Jurandir,
Sem contar aquele artigo em que o autor acusava o governo de assassinar 200 pessoas.
Gean

V.Antunes disse...

É lamentável que a culpa sempre recaia em quem não tem capacidade patrimonial para indenizar as vítimas e ainda fornece elementos para as seguradoras discutirem longamente seus pagamentos.

"O manete da turbina ficou em posição de aceleração na hora do pouso."

Entendo assim: "O manete da turbina,depois do pouso, das derrapagens, do choque, da movimentação desordenada de corpos e objetos dentro da cabina e das explosões, ficou em posição de aceleração."

Ou essa manete tem uma trava tão poderosa que resistiu intocada a todos acontecimentos pós-aterrissagem?

Claro, de aviões só conheço o banco onde, raramente, viajo.

Anônimo disse...

A 'cacique do PIG' Miriam Leitão baixa diretiva: 'Mais oposição'

"O Brasil tem governo demais e oposição de menos", sentencia Miriam Leitão em sua coluna desta terça-feira (27), no jornal O Globo.

Como um fürher de saias, a versátil e intrépida jornalista espinafra sem piedade o PSDB, o DEM e adjacências, deixando claro quem está no comando na coligação entre o PIG (Partido da Imprensa Golpista) e a oposição convencional. Pergunta a Miriam: e o PIG, está com essa bola toda?

Por Bernardo Joffily - Portal Vermelho

"O presidente Lula fala e faz o que bem entende sem um contraponto. A oposição tem medo da popularidade do presidente e acha melhor não apontar suas falhas sequenciais", denuncia a colunista de jornal, comentarista de TV e rádio, blogueira de língua afiada.

Ela dá nome aos bois: o PSDB, omisso; o DEM, temático; e sobra até para os oposicionistas em legendas da base do governo. Só escapa, por um tris, o PV, que segundo Miriam "começa a desenhar uma alternativa".

"A oposição sabe a lista de absurdos encontrados nas obras do PAC ou fora dele?", admoesta a colunista. E, linhas abaixo: "A oposição tem medo de criticar".

Miriam Leitão, está visto, não tem medo de criticar. As Organizações Globo, que pagam seu salário (ou serão vários, um para cada multifunção? e de quanto?) não tem medo de criticar. O PIG não tem medo de criticar. E cobra igual intrepidez de seus aliados da oposição convencional.



veja o desespero total do "fürher de saias" no Vermelho.Org

http://www.vermelho.org.br/notic...8306& id_secao=1

Gustavo N. Leal disse...

Como se o Lula ou o PT não fossem fazer a mesma coisa. Fala sério!

Nunca se viu maior terrorismo de oposição do que aquele que o PT fez qdo era da oposição. O próprio Lula já confessou isso.

Vergonha pra esse blog!

van-poa-rs disse...

Gostaria demais que, Milton Zuanazzi (Presidente da Anac, à época do acidente), processasse à todos que infernizaram a vida dele e de seus familiares! Eles não podiam sair à rua, que jornalistas e outros, os atacavam ! O PIG então,destilou todo seu veneno contra o governo Lula, sobre a Anac e seus responsáveis!

Leonardo disse...

"Ouvi dizer que muita gente achava isso. Inclusive eu."
O cidadão nem sabe mais o que ele fala, sobre o que ele achava ele ouviu dizer...