terça-feira, 30 de junho de 2009

As hipocrisias serrosferatusianas de cada dia


O Ricardo Kotscho é um ótimo observador, lembra de uma reportagem esquecida pela mídia ao ouvir a declaração de José Serra em encontro do PPS ao lado de Roberto Freire, presidente da legenda dos neoliberais ex-comunistas. Disse o governador avampirado:

“O PT usa o governo como se fosse propriedade privada. Quando o PT foi para o governo, incorporou esse patrimonialismo do partido. Em São Paulo, não existe esse loteamento governamental, ao contrário do federal”.

Kotscho, jornalista de boa memória, fotografou a hipocrisia do candidato de dentes afiados:

Não existe? Serra esqueceu-se que estava ao lado do presidente do PPS, Roberto Freire, suplente do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), atualmente ganhando a vida como membro de dois conselhos municipais em São Paulo, embora seja do Recife e more em Brasília.

Ex-candidato a presidente da República, hoje Freire não se elege nem síndico em sua cidade, mas fatura R$ 12 mil por mes para participar de uma reunião mensal e assinar as atas da Emurb (Empresa Municipal de Urbanismo) e da SP-Turismo.

Quem lhe arrumou esta boquinha foi o próprio governador José Serra, em 2005, quando era prefeito de São Paulo. Mantida pelo seu sucessor Gilberto Kassab, a sinecura abriga hoje 58 conselheiros, que custam R$ 4 milhões por ano à Prefeitura.

Quem fez a denúncia, em janeiro deste ano, foi o repórter Fabio Leite, do Jornal da Tarde. Mas, ao contrário do que acontece no plano federal, não mereceu nenhuma repercussão na chamada grande imprensa. Em seu texto, Leite escreveu que esta “bondade administrativa visa acolher aliados e engordar os salários dos secretários municipais”.

Até hoje esta informação não foi desmentida nem se tem notícia de que Roberto Freire, fiel à sua cruzada de paladino da moralidade alheia, tenha aberto mão da bem remunerada boquinha.

4 comentários:

Briguilino disse...

Jurandir, como sempre cada vez melhor o abundacanalha. Roubei mais uma rsss. Coloquei o link lá valew?
Abçs

Celso R. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celso R. disse...

Como? O quê?? UMA reunião por mês e R$ 12.000,00 de "jetton"? Que tão transcendentes conselhos dão estes 58 (CINQUENTA E OITO? CINQUENTA E OITO?) conselheiros? Não pode ser! É impossível. O Governo de São Paulo está sendo caluniado! Isso aí daria para contratar mais de 70(setenta) professores universitários, todos doutores, no mais alto nível da carreira, que trabalhariam muito mais e com resultados muito mais relevantes, sem falar da necessidade que é contratá-los, atualmente, dada a demanda. E isto é só um exemplo. Poderiam ser contratados médicos, ou outros técnicos para atender à população. Só pode ser mentira. Não acredito. Por isso, não acredito. Não acredito.

Anônimo disse...

Bandido ex-comunista, ex-deputado e ex-senador. Espero que, muir em breve, ex-ser humano.