sexta-feira, 9 de maio de 2008

Samba do dossiê doido

Esta é a história de um compositor que durante muitos anos obedeceu o regulamento, e só fez samba sobre empresas, políticos, vida e obra de ex-integrantes do Big Brother, sempre com muito merchandise no meio dos versos. Até que este ano, meio cansado dos mesmos enredos, depois de ter fumado umas cervejas, resolveu inovar. Leu o noticiário de política, e saiu este samba:

Foi a Veja que falou de papel contra FH
Disse sem pai e com mãe que queria a história abafar
Mas a trama tinha muito mais ingredientes
Na barafunda sabe-se lá onde ficam os inocentes
Laiá, laiá, laiá, o importante é ter otário pra acreditar

Alvaro Dias queria as contas do presidente
Pra armar uma crise bem convincente
Mas chamou araponga lusitano
Que trouxe as contas de outro tucano

Já que não dava pra mostrar o caviar
Tinham que inventar outra coisa pra contar
Pensaram até em colocar um adultério
Bem no meio da cúpula do ministério

Até o Bin Laden chegaram a cogitar
Mas o cachê não dava pra pagar
Contrataram os amigos da imprensa
E criaram fábula de roubo e de ofensa

Que o tal dossiê era pra tentar achacar
Sabe-se lá quem, bastava bagunçar
E tome notícia todo o dia na veia
Ameaça de processo e de cadeia

Mas a coisa tava meio enrolada
Corria o risco de virar piada
Chamaram consultor de moderna gestão
Que foi logo dando solução:

(refrão)

Ô, Ô, Ô,
Se ainda não deu
Bota na conta do Dirceu!

Ô, Ô, Ô,
Se ainda não deu
Bota na conta do Dirceu!

5 comentários:

Anônimo disse...

Posta a música em MP3 pelo amor dos Orixás!!!!
Fernando Monteiro

Walmir disse...

Pois vê só, mano blogueiro, no que dá esta guerra estapafúrdia entre partidos. Se ficassem no âmbito dos partidos e a imprensa noticiasse, tudo bem. Mas não. A imprensa tomou partido. A maioria junto com a oposição.
Aí o que era para ser nada, uns gastos bobinhos do ex-presidente, da ex-primeira dama, vira uma coisa besta: DOSSIÊ!!!
Nem raiz portuguesa a palavra tem. Virou, ainda assim, sinônimo de malfeitoria.
Mas a imprensa acesa em gigolar curiosidades obscenas do pública - veja o caso da menina Isabela - farta-se com isso.
Uma pena.
Paz e bom humor, sempre.

Anônimo disse...

Oi Jurandir.
Meu nome é Leonardo Sousa e outro dia deixei uma mensagem neste blog informando que trabalharia alguns de teus textos com as turmas de um cursinho em que dou aulas. Escolhi teus textos em função da clareza e, principalmente, da coerência com que vens escrevendo.
Estamos, por enquanto, trabalhando o livro "O Teatro do Bem e do Mal" (Eduardo Galeano) e depois faremos um trabalho sobre as imposturas da grande mídia. Teus textos serão utilizados para aguçar o senso crítico dos alunos.

Briguilino disse...

Mais uma vez vou assaltar uma postagem do blog e publicar no meu, dando os devidos creditos, claro. Porque não grava e coloca o samba na rede?
Abraço.

Jurandir Paulo disse...

Amigo Fernando, não sou grande músico, mas vou conversar com os chapas pagodeiros do “Originais da Chatuba”, quem sabe eles ajudam.

Walmir, a imprensa é partido. Ora segue parlamentares da oposição, ora mostra o caminho a eles. Atuam juntos, organizados.

Leonardo, parabéns pelo seu trabalho. E muito te agradeço pela consideração. Estou pronto a ajudar no que for possível.

Briguilino, você é da casa, use e abuse do material. E parabéns pelo primeiro aniversário do seu blog.