sábado, 18 de agosto de 2007

Casa de Cultura Efiagá

Leio a notícia que a casa carioca do nosso príncipe da Sorbonne, ele, o nosso Professor, que ministrava palestras nas linguas pátrias onde quer que estivesse, na condição de soberano da Botocúndia, tá pra desabar.

O prefeito da cidade, o pai do almofadinha bochechudo, rapidamente anunciou que iria fazer algo pela dita. Eu, na minha modesta posição, tenho uma sugestão:

Casa de Cultura Efiagá. A tal casa teria como objetivo registrar para a posteridade o que seu governo nos deixou de legado. (Ih,talvez fosse mais adequado abrir um banco no local, ou um presídio, ou uma nova febem)

Uma seção denominada primeiro ato: A Era Vargas Acabou. Com uma carteira de trabalho pegando fogo. Esqueçam o que escrevi. Nosso príncipe assinando o acordo com o atual DEMônios.

Um corredor com As Privatizações das Teles, seguida dos Leilões e os Precatórios.

Ah, sim. Um salão multimídia com a Gestão do Apagão. Os ministros comendo moscas, a imprensa colocando culpa nas secas, o apelo pela redução do consumo de energia, as empresas chiando e as concessionárias que não podem ter prejuízo nunca (aliás, outra seção: O Capitalismo sem Prejuízo - não vai faltar exemplo) chateadinhas pq os consumidorezinhos gastaram menos energia e por isso terão que compensá-las com seus ricos centavinhos. Essa sala vai boooombar.

Aceito sugestões. A curadoria, hm. Vou pensar num nome adequado.

Um comentário:

Jurandir Paulo disse...

Tem que ter na casa uma sala Ricardo Sérgio de Oliveira, o grande homem na vida de FHC. Ah, sexo não sei se rolou, mas quer saber mais? Bota aspas no nome e pesquisa no google.