quinta-feira, 7 de outubro de 2010

A velha mídia quer liberdade só para fazer propaganda


Dois fatos recentes esclarecedores:

1) A psicanalista Maria Rita Kehl foi demitida pelo Jornal O Estado de S. Paulo por artigo onde critica a desqualificação dos votos dos pobres. Diz ela: "Agora que os mais pobres conseguiram levantar a cabeça acima da linha da mendicância e da dependência das relações de favor que sempre caracterizaram as políticas locais pelo interior do País, dizem que votar em causa própria não vale. Quando, pela primeira vez, os sem-cidadania conquistaram direitos mínimos que desejam preservar pela via democrática, parte dos cidadãos que se consideram classe A vem a público desqualificar a seriedade de seus votos". Tais palavras foram consideradas pelo jornal como "delito de opinião", punido com sua demissão. Quer dizer, o jornal acha que voto de pobre não vale nada, e liberdade em suas páginas para alguém dizer o contrário é proibido. É o mesmo jornal que brada ter sido censurado recentemente, uma vítima, um desrespeito à liberdade de expressão. Quer dizer, liberdade da porta para a fora de seu prédio. Dentro, só o apoio ao candidato demotucano e seus preconceitos contra o andar de baixo.

2) Aula de jornalismo na PUC no Rio, manhã do dia 5 de outubro. A professora Marília Martins, jornalista do jornal O Globo, comenta as recentes provas de seus alunos. Para uma aluna, Gizele Martins, dirige as mais pesadas críticas. Seu crime, segundo a jornalista, ter apresentado um bom texto, mas "totalmente parcial". Ao falar do direito à moradia, a luta social que envolve a questão, a professora disse que a aluna demonstrou "simpatias" pelo MST e o Movimentos dos Sem Teto, organizações criminosas, segundo ela. E ainda alertou a aluna para que guardasse bem o diploma, pois precisaria dele para garantir "uma cela de luxo" quando estivesse na prisão. Afirmou, por fim, que defende a liberdade de expressão, mas que não há lugar para a Gizele na imprensa.

Certamente não, nesta imprensa. A Gisele teria que dizer que movimento social é sempre criminoso, que os pobres não sabem votar, mas que há "homens de bem", como o vampirotucano que pode salvar o país. Não é uma receita de jornalismo, mas de propaganda. A mídia existe, tem concessões públicas, para vender seus produtos mentirosos, contrários ao interesse de informação do povo brasileiro.

Quem, como eu, deseja apoiar a Gizele, assine o abaixo-assinado em seu favor aqui.

6 comentários:

Adriano Matos disse...

Sinceramente, Jurandir, o que fazem essas pessoas ainda trabalhando para estadão, folha, globo, etc? Depois da ocupação nazista, na Holanda, eram considerados culpados os colaboracionistas, qq um que mantinha relações com o poder invasor. Não é esse mesmo o caso?

Anônimo disse...

Bomba: Video de José Serra dando entrevista em um site chamado “Anti-Religião” - (vejam o logotipo atras)
O video foi removido daqui http://www.youtube.com/watch?v=iqnEm_z3OvU http://www.youtube.com/user/AntiReligiaoBR mas pode ser visto aqui http://www.4shared.com/video/FwNfQ0Ze/Serra__ANTI-RELIGIO.html - Vejam antes que retirem

mari disse...

assinei o manifesto. é inacreditável. comentei lá que nem é caso de prisão, e sim de internação.

Jurandir Paulo disse...

Adriano, proletário não podem ser responsabilidade pelas salsichas que fabricam. O problema que vejo é que muitos não sabem que as fabricam, imaginam pensar igual aos patrões. Burrice não é uma característica de classe, existe em todas.

Mari, fico feliz por ter conseguido mais uma assinatura para esta justa causa.

José Eduardo R. de Camargo disse...

Já assinei o apoio à estudante. E parabéns pelo blog! É sensacional!

Camila Couto disse...

parabéns pelo blog...é muito legal!